Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

EUA anunciam sanções contra 13 venezuelanos em véspera de eleições para Constituinte

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Administrator

Os Estados Unidos anunciaram hoje sanções contra 13 venezuelanos, numa tentativa de dissuadir o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de avançar com as eleições para uma Assembleia Constituinte no domingo.

Os 13 venezuelanos, que viram os seus direitos de viajar para os EUA negados e alguns dos seus bens congelados, incluem membros do governo, das forças armadas, da polícia, da empresa petrolífera estatal (PDSVA) e membros da nova assembleia que pretende rescrever a constituição do país.

Esta é a terceira ronda de sanções imposta pela administração de Donald Trump, que planeia novas medidas, incluindo parar de comprar petróleo ao país, caso seja necessário.

O presidente Trump já prometeu "fortes e rápidas medidas económicas" se o presidente Maduro avançar com o seu plano, mas membros do Departamento de Estado e do Conselho de Segurança Nacional temem que o fim das importações de petróleo prejudique uma população já muito castigada.

A Venezuela cumpre esta quarta e quinta-feira uma greve geral de 48 horas convocada pela oposição.

A escalada de protestos da oposição contra a Assembleia Constituinte vai continuar na sexta-feira com uma manifestação que pretende ser uma "tomada" simbólica de Caracas, na qual vão vai também participar cidadãos do interior do país.

Também na sexta-feira, o Presidente Nicolás Maduro vai encerrar a campanha para a Assembleia Constituinte, com o que o chefe de Estado disse ser "a mãe dos fechos de campanha constituinte", na Avenida Bolívar de Caracas, na capital do país.

A oposição venezuelana acusa o Presidente Maduro de pretender usar a Assembleia Constituinte para impor uma constituição ao estilo de Cuba.

Além disso, a oposição tem denunciado que o processo é fraudulento, porque seria necessário, segundo a legislação em vigor, realizar um referendo consultivo para que o povo decida se quer ou não uma Constituinte.

As manifestações a favor e contra Maduro intensificaram-se desde 01 de abril passado, depois de o Supremo Tribunal ter divulgado duas sentenças, que limitam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assume as funções do parlamento.

A 01 de maio, Maduro anunciou a eleição de uma Assembleia Constituinte para alterar a Constituição, o que intensificou os protestos que, desde abril, provocaram pelo menos 100 mortos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon