Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Euromilhões e lotaria mais joker e totoloto no Rio Ave

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/06/2017 Alcides Freire
© Reprodução/Wolverhampton FC

Nunca em Vila do Conde se fez tanto dinheiro com a venda de ativos. Entre a saída direta de jogadores e percentagens de passes, a próxima temporada já está paga e ainda sobra para as obras.

Apesar de a última época não ter sido excecional, uma vez que o Rio Ave não alcançou uma qualificação europeia, os proveitos financeiros neste defeso poderão atingir números históricos, algo que resulta não só das prestações em campo, como também da gestão de ativos dos últimos anos.

Na vertente desportiva, o bom rendimento coletivo e, por consequência, a valorização dos jogadores, originou duas transferências que renderam somas significativas ao Rio Ave, casos do central Roderick para os ingleses do Wolverhampton (50% de 3 milhões de euros) e do médio Krovinovic para o Benfica (3 milhões de euros).

citacaoKrovinovic, Ederson e Roderick renderam 11 milhões, verbas suficientes para pagar toda a temporada do Rio Ave que ainda terá dinheiro para outros projetos

Mas há outros negócios que também vão render importantes somas, principalmente o que envolve o guarda-redes Ederson, que se mudou do Benfica para o Manchester City, contando que o Rio Ave vai receber cerca de 6,5 milhões de euros, além de chegarem dos encarnados Nuno Santos, que assinou a título definitivo, mais Yuri Ribeiro e Pelé. No horizonte estão também encaixes pelas transferências do brasileiro Fabinho, que se destacou no Mónaco e poderá transferir-se para o Manchester United, cabendo ao Rio Ave oito por cento, e do liberiano Jebor, que esteve emprestado aos marroquinos do WAC de Casablanca e tem mercado em diferentes países, cujo passe pertence ao Rio Ave. Tudo somado... será batido um recorde absoluto de vendas em Vila do Conde.

Época está paga e ainda sobra

Na perspetiva de que o orçamento ronde os sete milhões de euros, o Rio Ave parte para a época 2017/18 com tudo pago. Somando as transferências e confirmando-se os negócios com Fabinho e Jebor, não só fica paga a temporada, como ainda sobram verbas para concluir a Academia de Formação, ajudar no arranque do projeto da equipa B e realizar algumas obras de melhoramento no Estádio dos Arcos. A estabilidade financeira tem sido uma forte imagem de marca nos últimos anos do Rio Ave, mas nunca como agora houve tanta fartura.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon