Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Exército sírio anuncia fim dos combates nas zonas de Ghouta Oriental, perto de Damasco

Logótipo de O Jogo O Jogo 22/07/2017 Administrator

O exército sírio anunciou hoje o fim dos combates nas zonas de Ghouta Oriental, algumas horas após o comunicado, por Moscovo, de um acordo de segurança para este enclave rebelde, localizado perto de Damasco.

"O comandante do exército anuncia o fim dos combates nas zonas de Ghouta Oriental, na província de Damasco, a partir do meio-dia de sábado [10:00 de Lisboa]", indicou o exército num comunicado citado por meios de comunicação social oficiais.

"O exército responderá de maneira apropriada a qualquer violação" na Ghouta Oriental, é acrescentado no texto.

O comunicado não indica quais as zonas incluídas no cessar-fogo.

Este anúncio ocorre horas depois de as autoridades russas terem anunciado a conclusão de um acordo com os rebeldes sírios sobre uma zona segura em Ghouta Oriental durante as conversações de paz no Cairo entre responsáveis russos e opositores sírios.

Num comunicado, o Ministério da Defesa russo revelou que os acordos foram assinados para definir uma zona de segura na região de Ghouta Oriental, uma das principais frentes da guerra que opõe, desde 2011, as forças do presidente sírio, Bachar Al-Assad, aos rebeldes.

Nos documentos foram definidas as fronteiras da zona, assim como as rotas para fornecimento de ajuda humanitária à população e para movimentação dos residentes.

O Ministério da Defesa russo indicou ainda que um primeiro comboio humanitário para a zona segura de Ghouta Oriental está previsto para "os próximos dias".

A Ghouta Oriental faz parte das "zonas de 'desescalada' [outra designação das zonas seguras]" estabelecidas em maio pela Rússia, Irão, aliadas do regime de Bashar al-Assad, e a Turquia, que apoia a rebelião.

Mais de 330.000 pessoas foram mortas na Síria desde o início da guerra, em março de 2011.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon