Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ex-Presidente Ramos-Horta regressa ao Governo timorense para apoiar consolidação do país

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/09/2017 Administrator

O ex-Presidente timorense José Ramos-Horta disse regressar hoje ao Executivo para apoiar os esforços de governação de Mari Alkatiri e contribuir para a consolidação da paz e do desenvolvimento de Timor-Leste nos próximos anos.

"Estes quatro ou cinco anos são decisivos para a consolidação da paz e para a construção do país e para a entrega à nova geração e por isso achei minha obrigação aceitar o convite de Mari Alkatiri para integrar a equipa dele", disse Ramos-Horta à Lusa.

"Venho com ele desde 1975 e é nossa obrigação política e moral, a geração de 75, apoiar Mari Alkatiri", sublinhou.

Antigo Presidente de Timor-Leste, Ramos-Horta vai integrar o Executivo como ministro de Estado e conselheiro para a Segurança Nacional, regressando a um cargo executivo, depois de ter sido foi chefe da diplomacia no primeiro Governo timorense (2002) e assumido o cargo de primeiro-ministro entre 2006 e 2007.

O Governo de coligação, liderado por Mari Alkatiri, é apoiado pela Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) e pelo Partido Democrático (PD), contando com membros independentes ou próximos de outras forças políticas.

Ramos-Horta explicou que vai estar no Governo num novo mecanismo, o Conselho de Segurança Nacional, modelo idêntico ao norte-americano, que "faz parte do gabinete do primeiro-ministro".

"Serei conselheiro do primeiro-ministro em aspetos como política externa, defesa e segurança. Mas vejo sobretudo o meu papel a apoiar esses ministros na dinamização, reformas e melhorias que tenha que haver", afirmou.

Apesar de começar como um governo minoritário, Ramos-Horta mostrou-se confiante de que "será um Governo forte" e que Xanana Gusmão, líder do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), segundo partido mais votado, dará o seu apoio.

"Xanana Gusmão estará ao nosso lado para viabilizar o Governo, quer viabilizar o Governo porque estamos a continuar o que tem feito ao longo dos anos. Não pode a instabilidade pôr em risco todo o esforço feito por ele e pelo Governo dele nos últimos dez anos", disse.

No sábado, José Ramos-Horta parte para Nova Iorque, onde vai representar o chefe de Estado, Francisco Guterres Lu-Olo, na 72.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU e discursar em nome de Timor-Leste no dia 20 de setembro.

O antigo Presidente timorense vai ainda participar numa sessão especial do Conselho de Segurança sobre as operações de paz da ONU e que terá sobre a mesa o relatório do painel para as operações de paz, a que o próprio Horta presidiu.

Ramos-Horta vai manter encontros relacionados com o grupo G7+ e outras reuniões previstas na agenda do chefe de Estado, como eventuais debates sobre o processo negocial entre Timor-Leste e a Austrália sobre fronteiras marítimas.

"Foi a primeira vez que este mecanismo da ONU foi usado para resolver um conflito desta natureza e há muita gente interessada nisso", explicou.

Francisco Guterres Lu-Olo não pode participar na viagem, tendo em conta o momento atual interno que se vive em Timor-Leste, onde está em curso a transição governativa.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon