Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Exposição com Tesouros do Vaticano em Lisboa visitada por mais de 35 mil pessoas

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/09/2017 Administrator

A exposição "Madonna -- Tesouros do Vaticano", que encerrou a 10 de setembro, no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, recebeu mais de 35 mil visitantes, revelou hoje à agência Lusa fonte da instituição.

Inaugurada a 19 de maio, a mostra, apresentada no ano em que se celebra o centenário das "aparições" de Fátima e da visita do papa Francisco a Portugal, recebeu um total de 35.738 visitantes.

A exposição percorreu um período de quase mil anos, do final da Antiguidade Clássica à época moderna, sob o grande eixo temático da Virgem Maria, e integrou "O crucifixo (Entre Deus e o Diabo)", quadro de Marc Chagall, nas 73 obras que estiveram ali reunidas, alusivas ao culto mariano.

Comissariada pelo diretor-adjunto do MNAA, José Alberto Seabra Carvalho, e por Alessandra Rodolfo, do Museu do Vaticano, a mostra integrou pinturas de mestres primitivos italianos, de grandes mestres do Renascimento e do Barroco, tapeçarias e códices iluminados do acervo da Biblioteca Apostólica Romana.

Exibiu ainda obras da Galleria Borghese - dos artistas Venusti e Sassoferrato - e da Galleria Corsini, os criadores Gentileschi e Van Dyck.

"Madonna -- Tesouros do Vaticano" estava dividida em oito núcleos: "Da Antiguidade aos nossos dias. Um culto e as suas imagens", "Bolonha, Siena e Florença. O triunfo da Madonna na pintura dos séculos XIV e XV", "Renascimento. Rafael e Miguel Ângelo", "Maneirismos e mistérios do Rosário", "Barocci, Van Dyck e alguns outros", "O novo Triunfo da Madonna", "Sumptuosas tapeçarias Papais" e "Imagens de Maria. Obras italianas em coleções portuguesas".

Foi ainda exibido um desenho de Leonardo da Vinci, que pertence à Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, e é, tanto quanto se sabe, exemplar único do artista renascentista em Portugal, sem que se saiba como chegou ao país.

Entre as obras cedidas pelo Vaticano contava-se uma de um português -- Álvaro Pires de Évora -, que fez carreira conhecida em Itália, a partir de 1411.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon