Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Fátima: Santuário "deve ser um oásis de espiritualidade" - Bispo António Marto

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/10/2017 Administrator

O bispo de Leiria-Fátima considera que o santuário da Cova de Iria "deve ser um oásis de espiritualidade" e que as celebrações do Centenário das Aparições deram uma dimensão internacional à mensagem.

"O Santuário deve ser um oásis de espiritualidade. Tem sido, mas agora é preciso que seja mais para que as pessoas refresquem a sua fé, encham o seu próprio coração, que vivam neste silêncio uma nova espiritualidade", refere António Marto numa entrevista ao jornal Voz da Fátima, órgão oficial de informação e formação do Santuário.

O bispo considera também que "a presença de inúmeros grupos estrangeiros no Santuário, como nunca se viu, em especial da Ásia ou do Médio Oriente, em peregrinações, acentuou esta internacionalização".

O balanço do Centenário das Aparições será apresentado a 02 de novembro, mas António Marto avança desde já que nesta celebração do centenário foi feito "um belo programa, com novas linguagens, diversificado e adaptado a várias idades, dos idosos aos mais pequenos".

O bispo de Leiria-Fátima considera também que acrescentou " uma dimensão cultural importante à própria mensagem de Fátima".

"Fátima era, e se calhar ainda continua a ser para alguns, uma certa subcultura e o facto é que este centenário, através das várias iniciativas, conseguiu provar que não é isso. Tenho tido esse 'feedback' das pessoas que me têm felicitado de várias maneiras por tudo o que tem sido realizado aqui no Santuário", referiu o bispo na entrevista.

Citando o papa emérito Bento XVI, António Marto refere que "'Fátima é a mais profética das aparições modernas' e, por conseguinte, tem esta vocação histórico-universal, acompanhando a história de cada geração", exigindo assim uma atualização constante das linguagens pelas quais é comunicada, para ser transmitida às novas gerações.

Do Centenário das Aparições, adianta o bispo, fica o aprofundamento novo da mensagem: numa visão global e harmónica, na dimensão mística de vivência da fé e relativamente aos problemas da humanidade focado pelo papa Francisco como os refugiados, os sem-abrigo, os cristãos perseguidos ou a dignidade da pessoa humana espezinhada.

Questionado pelo Voz da Fátima sobre como viveu o papel de anfitrião de dois papas, António Marto explicou que com Bento XVI foi o encontro com alguém que já conhecia e com quem mantinha uma relação de especial afeto, desde os tempos de estudante, além de ser o papa teólogo de Fátima, que escreveu o melhor comentário sobre a "Mensagem" e com o papa Francisco veio uma forma de comunicar muito diferente, "que vai ao fundo da alma, porque fala com o coração".

"Ele [papa Francisco] é a incarnação de uma Igreja em saída, voltada para fora e menos virada para dentro", frisou, fazendo ainda referência a João Paulo II, considerando que foi o papa que deu notoriedade a Fátima.

A Peregrinação Internacional Aniversária de outubro no Santuário de Fátima começou hoje e decorre até sexta-feira, marcando o encerramento do Centenário das Aparições e inclui, além das celebrações religiosas, um concerto e um espetáculo multimédia.

A peregrinação tem por tema "Maria, Estrela da Evangelização" e será presidida pelo bispo da diocese de Leiria-Fátima, António Marto.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon