Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Fabio Aru: "Nada está perdido"

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/07/2017 O Jogo

O ciclista italiano mantém a fé depois de ter devolvido a camisola amarela a Chris Froome no termo da 14.ª etapa da Volta a França

Fabio Aru (Astana) defendeu que nada está perdido, depois de ter 'devolvido' a camisola amarela a Chris Froome (Sky), mas reconheceu que preferia ter mantido a liderança da geral da Volta a França.

"É inútil dizer que preferia ter ficado com a amarela, mas ainda há uma última semana muito desafiante. Nada está perdido", argumentou o campeão italiano.

Aru, que perdeu 24 segundos para Froome no final da 14.ª etapa, explicou que à entrada da rampa que desembocava na meta em Rodez estava muito atrás no pelotão.

"Houve um corte e fiz um grande esforço para recolar. Quando houve um novo corte, paguei o desgaste", justificou o agora segundo classificado da geral, a 18 segundos do britânico.

Froome foi o principal surpreendido com a quebra do italiano da Astana, considerando que os 24 segundos que Aru cedeu foram uma imensidão.

"É o mesmo tempo que perdi em Peyragudes. Cada segundo conta. Este ano, a luta é ao segundo. Ainda estamos todos muito próximos, por isso vale a pena lutar por cada segundo. Conhecia o final de há dois anos, mas tenho de dar mérito à minha equipa, que me manteve na frente naquelas curvas complicadas do final", destacou, revelando que Michal Kwiatkowski desempenhou um papel fundamental, ao gritar-lhe pelo auricular que o grupo de candidatos estava todo fragmentado.

Outro dos seus colegas, o espanhol Mikel Landa, que há dois dias não esperou por si, também cedeu terreno e foi obrigado a reconhecer que não pensa ganhar o Tour.

"Estarei ao lado de Froome até ao final, disposto a desempenhar um papel nas jogadas táticas que a equipa entenda e a pressionar os rivais à frente ou atrás para proteger o líder", garantiu.

Ainda assim, Landa admitiu que chegou a sonhar com a camisola amarela na 13.ª etapa, quando andou em fuga com Alberto Contador (Trek-Segafredo), vencedor do Tour em 2007 e 2009.

"Fez-me sonhar um pouco. O Contador é um tipo muito valente, desses corredores capazes de provocar a reviravolta numa corrida. A mim, [a fuga] beneficiou-me muito", disse o quinto classificado da geral.

© Fornecido por O jogo

O espanhol colocou ainda a hipótese de Aru, seu antigo colega, com quem tem uma má relação, ter perdido a camisola amarela de propósito.

"Acredito que o Aru entregou a camisola com receio do que lhe poderia cair em cima amanhã [no domingo] e em outros dias, para evitar situações difíceis. Não pensei que hoje as diferenças pudessem ser tão grandes", concluiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon