Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Fato de treino ou gravata é a dúvida de Meyong

Logótipo de O Jogo O Jogo 17/05/2017 João Cardoso
© RUI DE MINDERICO

Albert Meyong Zé, um nome que ficará para a história do futebol português, despediu-se na noite de segunda-feira dos adeptos do V. Setúbal, clube que representou em 236 jogos oficiais.

O internacional camaronês, que anunciou o abandono dos relvados no final desta temporada, aos 36 anos, faz um balanço positivo de uma carreira longa e recheada de títulos, não escondeu a emoção na hora da despedida.

"O sentimento é misto. De tristeza e de dever cumprido, mas mais de tristeza. Jogar futebol foi sempre o que quis fazer. A minha vida até hoje foi concentrada só no futebol. É triste deixar uma coisa que gosto de fazer. Mas, por outro lado, fico contente porque a minha carreira foi tudo o que desejei", afirmou.

Para trás fica uma longa carreira com passagens por Braga e Belenenses, a quem fez questão de retribuir. "Agradeço ao Braga e ao Belenenses, onde passei bons momentos. Fui muito bem recebido em ambos. Ao Vitória já agradeci muito e não vou parar de agradecer, porque este clube é a minha casa", sublinhou.

Tal como O JOGO avançou atempadamente, Meyong vai ter na próxima época um lugar na estrutura técnica do clube. "Só ainda não decidi se vou preferir o fato de treino ou o fato e gravata", disse com o sorriso que o caracteriza.

Desafiado a escolher um dos melhores momentos da carreira, Meyong elegeu a conquista da Taça de Portugal ao serviço dos sadinos em 2004/05, na qual marcou o golo que decidiu a final do Jamor com o Benfica.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon