Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

FC Porto e Benfica prometem uma final renhida

Logótipo de O Jogo O Jogo 31/05/2017 Alcides Freire

FC Porto e Benfica protagonizam, a partir de sexta-feira, mais uma final do play-off da Liga de basquetebol, numa eliminatória disputada à melhor de cinco duelos que promete ser bastante equilibrada.

Os dragões beneficiam do fator-casa, pois venceram a fase regular, mas tal primazia não garante a conquista do cetro. Recorde-se que na última época as águias detiveram a vantagem de fazerem o quinto e último duelo na Luz, mas o FC Porto despachou a final em apenas quatro jogos (3-1).

Ao longo da atual temporada o equilíbrio foi a nota dominante nos confrontos entre os dois rivais. Os portistas abriram com um triunfo na Supertaça, imperaram na fase regular, mas os benfiquistas conquistaram a Taça Hugo dos Santos e a Taça de Portugal.

Desde que arrancou a Liga Portuguesa, a partir da época de 2008/09, o Benfica conquistou seis títulos, contra apenas dois do FC Porto, que esteve várias temporadas fora do primeiro escalão.

Se acumularmos a antiga I Divisão Nacional (entre 1932 e 1995, 63 edições), a extinta Liga de Clubes Profissional (entre 1995 e 2008, 13 edições) e a atual Liga Portuguesa de Basquetebol (de 2008 até ao momento já lá vão oito edições), o Benfica domina largamente o panorama, com 26 títulos na sua galeria de troféus, contra 12 dos portistas.

Nos despiques diretos entre os dois técnicos na atual Liga, Carlos Lisboa leva clara vantagem, com quatro títulos consecutivos arrebatados entre 2011 e 2015, face aos dois cetros erguidos pelo rival Moncho López em 2010/11 e 2015/16.

Os outros dois campeonatos da Liga (LPB) foram arrebatados pelo treinador Henrique Vieira em 2008/09 e 2009/10, o qual antecedeu Carlos Lisboa ao leme da nau encarnada.

Esperam-se despiques empolgantes, equilibrados e bem jogados entre intérpretes de primeira linha capazes de proporcionarem grandes espetáculos de basquetebol.

© Octavio Passos

A equipa do FC Porto detém alguma vantagem ao nível do jogo interior, conseguindo uma melhor rotação de postes do que o conjunto da Luz. O sérvio Borovnjak, o norte-americano Washburn e os internacionais lusos Miguel Queiroz e Miguel Miranda permitem uma mais versátil rotação de jogadores nas áreas próximas do cesto.

Além disso, o base norte-americano Brad Tinsley e o extremo português José Silva surgiram nas meias-finais em grande forma.

O Benfica apresenta um plantel com muitas soluções em todas as posições do campo. Os criativos Damian Hollis e Carlos Morais ostentam capacidade para resolverem os jogos nas mais díspares zonas do campo e da forma mais instintiva e imprevisível.

E as águias ainda possuem trunfos como os extremos Carlos Andrade e João Soares, os bases Derek Raivio, Tomás Barroso, Mário Fernandes e Nuno Oliveira, além do explosivo poste Raven Barber.

Calendário da final do play-off, disputado à melhor de cinco jogos:

Jogo 1 (2 junho): FC Porto - Benfica, 20h30

Jogo 2 (4 junho): FC Porto - Benfica, 19h00

Jogo 3 (9 junho): Benfica - FC Porto, 19h00

Jogo 4 (11 junho) *: Benfica - FC Porto, 16h00

Jogo 5 (15 junho) *: FC Porto - Benfica, 16h00

(*) - Se necessário.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon