Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

FC Porto no Tribunal Arbitral do Desporto contra o "polvo fascista"

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/04/2017 João Cardoso

Dragões reagiram à decisão do Conselho (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) de manter o castigo de dois jogos de suspensão aplicado a Brahimi

O FC Porto tentou reduzir o castigo de Brahimi e libertá-lo para o jogo deste sábado frente ao Chaves, mas o CD da FPF decidiu manter a decisão inicial de dois jogos de suspensão, o que impede o argelino de ser opção na 31ª jornada.

Através da newsletter "Dragões Diário", o FC Porto critica a opção do CD, por não ter dado ouvido aos testemunhos de João Pinto e de Nélson Puga.

"O recurso em que o FC Porto pedia a despenalização de Brahimi foi rejeitado pelo Conselho de Disciplina da FPF, que, sem imagens que atestassem a veracidade do que alegou Tiago Antunes, quarto árbitro no jogo Braga-FC Porto, optou por dar como certa a versão do árbitro. O que está em causa é muito simples, entre os testemunhos de um ex-capitão da seleção nacional, como é João Pinto, e um médico já com uma longa e idónea carreira, como é Nélson Puga, o Conselho de Disciplina acreditou, ou quis acreditar, na versão do mentiroso Tiago Antunes", começou por dizer, num texto assinado pelo diretor de comunicação Francisco J. Marques.

"E se não há imagens como sabemos que Tiago Antunes está a mentir? Por simples dedução, pois Tiago Antunes mentiu com os dentes todos quando disse que tinha encerrado o seu perfil no Facebook na segunda-feira, 17 de abril, quando na verdade só o fez por volta das 11h00 de terça-feira, 18 de abril, depois de trocar mensagens insultuosas com um adepto, como o nosso clube já demonstrou", acrescenta.

© HUGO DELGADO

O FC Porto não fica por aqui e recorda as exibições recentes dos árbitros Manuel Oliveira e Rui Costa. "A moral desta história é muito triste: se os árbitros já sabiam que podiam não apitar grandes penalidades evidentes, como recentemente aconteceu com Manuel Oliveira e Rui Costa, nos jogos com o Setúbal e o Feirense, sem que penalização alguma lhes aconteça, agora também sabem que podem mentir a seu bel-prazer nos relatórios, desde que não haja imagens. A Liga Salazar lá vai fazendo o seu caminho, cada vez mais longe da verdade desportiva", rematou.

Por fim, os dragões sublinham que vão continuar a "combater e denunciar este polvo fascista". "Por tudo isto, mas também porque não esquecemos a forma como o processo foi conduzido, o FC Porto vai recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto", concluiu.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon