Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Feira de Luanda fecha com empresas portuguesas a mostrarem presença

Logótipo de O Jogo O Jogo 30/07/2017 Administrator

As duas dezenas de empresas portuguesas representadas na 33.ª edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA) tentaram, nos últimos dias, mostrar a presença no mercado, apesar da crise angolana, mais do que negócios imediatos como acontecia no passado.

A missão portuguesa naquela que é a maior feira multissetorial de Angola, que não se realizou em 2016 devido à crise económica, financeira e cambial no país, esteve a cargo da Associação Empresarial de Portugal (AEP), sendo novamente a mais representativa entre as comitivas estrangeiras.

Sob o lema "Diversificar a economia e potenciar a produção nacional, visando uma Angola autossuficiente e exportadora", a feira, que fecha hoje portas, ao fim de cinco dias, contou com uma área de exposição menor e menos expositores.

"Não foi de todo pelos negócios imediatos, mas sobretudo para marcar presença. As expectativas, à partida, não seriam muito altas e grande parte das empresas que vieram já conheciam e trabalhavam com o mercado angolano, pelo que vieram visitar clientes, mas sobretudo mostrar confiança na economia angolana", explicou hoje à Lusa Tiago Pereira, gestor de mercado para o continente africano da AEP.

Só a comitiva da AEP juntou 17 empresas portuguesas, das quais cinco estreantes na FILDA, entre 238 expositores reunidos em 12.000 metros quadrados de feira, que pela primeira vez aconteceu na marginal de Luanda, ocupando um terço do espaço habitual.

Em edições anteriores, noutra área de Luanda, a FILDA chegou a reunir 1.000 expositores, com as empresas portuguesas a chegarem à centena.

"A comitiva nacional foi a maior representação estrangeira na FILDA e por isso continua a mostrar, proporcionalmente, porque este ano a área de exposição é menor, que Portugal é um grande parceiro das empresas angolanas", apontou Tiago Pereira, que liderou a missão portuguesa, organizada pela AEP com o apoio da Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola (CCIPA) e da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

Os custos associados à presença na FILDA ascendem, por empresa portuguesa, a cerca de 8.000 euros, investimento que pode ser comparticipado com fundos comunitários e que para a AEP é essencial, tendo em conta que Portugal continua a ser o principal país de origem das importações angolanas, apesar da crise do petróleo.

"Os empresários têm consciência que esta fase da economia angolana não é de grande impulsão. Mas as empresas vieram com objetivos claros de encontrar parceiros locais, porque existe confiança neste mercado", garantiu o responsável da AEP.

Depois de cancelada em 2016, face à conjuntura económica angolana, a 33.ª edição da FILDA esteve para não ser realizada este ano. Em junho, a um mês da data prevista, a empresa Eventos Arena foi escolhida para a organização da feira, pelo Ministério da Economia angolano, através do Instituto de Fomento Empresarial (IFE).

Além de expositores angolanos e portugueses, a FILDA contou com empresários do Brasil, Suécia, África do Sul, Zâmbia, Índia e mais de uma dezena de empresários chineses, que participaram individualmente.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon