Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Fernando Santos afirma Portugal como “candidato a vencer todas as provas”

Logótipo de LusaLusa 11/07/2017 João Godinho

MÁRIO CRUZ/LUSA © LUSA / MÁRIO CRUZ MÁRIO CRUZ/LUSA

Oeiras, Lisboa, 11 jul (Lusa) - O selecionador nacional de futebol, Fernando Santos, quer levar Portugal além da conquista do Euro2016 e assegurou que "não é utópico" conseguir novas vitórias nas próximas décadas do futebol português.

Em declarações aos jornalistas na Cidade do Futebol, em Oeiras, um ano depois da apoteótica chegada a Lisboa com a taça de campeões europeus, o treinador português lembrou que esses estatuto cimentou a "fasquia elevada" que colocou aos jogadores desde "o primeiro dia" em que chegou ao comando da seleção.

"A fasquia já está elevada e não pode subir mais. Portugal afirma-se como candidato a vencer todas as provas em que entra. Outra coisa é pensar que Portugal tem agora a obrigação de ganhar sempre todas as provas que disputa. Portugal tem a obrigação de ter a fasquia elevada no compromisso de lutar por todas as provas", disse.

No entender do selecionador nacional, o triunfo no Euro2016 marcou uma viragem, pois mostrou a Portugal que a sua seleção também consegue vencer em provas internacionais e que encontrou agora "um rumo" para o futuro.

"Portugal vai ser sempre um candidato nas provas que vai disputar, porque tem talento, capacidade, encontrou o seu rumo. Nós já encontrámos o rumo, sabemos o que é ganhar e é o ganhar que traz ainda mais consistência às equipas. Portugal não vai ganhar sempre, mas vai lutar sempre", disse.

O futuro da seleção continuará também a ser sob a orientação de Fernando Santos, desde a formalização da renovação de contrato com a Federação Portuguesa de Futebol. Questionado sobre os motivos que o levaram a optar pela continuidade depois do êxito no Euro2016, o técnico justificou-se com os laços pessoais construídos na seleção.

"Renovei o contrato muito pela minha relação pessoal com o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, que tinha apostado em mim num momento difícil, e pela fortíssima comunhão de ideias e amizade com os meus jogadores. Foi isso que me levou a ficar", explicou.

No horizonte dos campeões europeus está já o Campeonato do Mundo de futebol de 2018, para o qual Portugal luta ainda pelo apuramento. No entanto, o selecionador português sublinhou a importância de continuar a manter a ambição e lutar pela superação do título europeu.

"Procuramos ser melhores e ser melhor é superar e conquistar sempre coisas positivas. Esse é o nosso objetivo", sentenciou.

JYGO // VR

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon