Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Fernando Santos: "Portugal jogou sempre para ganhar"

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/07/2017 António Soares
. © Fornecido por O jogo .

O selecionador de Portugal viu uma equipa igual a si própria, com o mesmo espírito de conquista que teve na forma como encarou o Europeu, assume as críticas, mas ninguém lhes pode retirar o maior feito do futebol português

Fernando Santos não escondeu a frustração por se ver obrigado a disputar o terceiro lugar da Taça das Confederações, mas garantiu que Portugal vai entrar em campo com a mesma intensidade e o espírito que caracteriza o campeão europeu. "São duas equipas que tinham o desejo de estar na final, mas será um jogo com o mesmo empenho e vontade de vencer. Não há jogos com mais ou menos importância, as equipas vão procurar vencer como têm feito até aqui", garantiu Fernando Santos, na conferência de antevisão ao jogo de domingo com o México.

Balanço: "Foi um consolidar, Portugal lutou pelos objetivos, mostrou que entra nas provas com o objetivo de chegar à final e vencer. Isso é que é relevante e é o estado de espírito que tem de prevalecer. Tínhamos a ambição de estar na final e obviamente que ficamos tristes. A seguir ao jogo e no dia seguinte foi tristeza, mas isso não invalida o compromisso desta seleção que tem como objetivo entrar para ganhar chegar às finais de todas as competições e ganhar. Temos sempre a obrigação de representar Portugal focados e disponíveis como sempre, em todos os jogos".

Sentido do jogo pelo terceiro lugar: "Não há essa possibilidade, não vamos decidir nada, sabíamos que ia ser assim a partir do momento em que vimos disputar esta competição. Agora nenhum de nós queria disputar este jogo, mas temos de estar motivamos, não há outra solução".

Luta pelo terceiro lugar: "O jogo é honroso e por isso temos de o disputar com toda a intensidade, mas obviamente há um momento de frustração por não chegar à final".

Mensagem aos céticos: "Percebo e convivo bem com as críticas e também faço o balanço dos jogos. Em relação à equipa, a minha palavra é só que esta equipa deu o futebol português um dos maiores, se não o maior, feito e esse mérito não lhe podem retirar. Aqui mostrou que vinha para chegar à final e por isso este momento de desilusão".

O que espera do México: "Fez uma excelente prova quer durante a fase grupos, quer perante a Alemanha, foi uma equipa com muita dinâmica, sempre à procura de vencer com muita determinação e empenho, Mas espero que Portugal não sofra golos e os marque. Já defrontamos o adversário, agora é relembrar as características, haverá alguma mudança pela ausência do Cristiano, na estratégia, há o fator anímico que compete a todos nós ter a capacidade de superação para um momento que não queríamos para estarmos ao nosso melhor nível".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon