Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Fernando Santos: "Sempre tivemos grandes jogadores. Mas agora temos condições"

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/04/2017 Rui Trombinhas

Selecionador nacional foi um dos oradores no congresso no Estádio de Alvalade e falou da conquista do Euro 2016 pela seleção de Portugal

© Fornecido por O jogo

Fernando Santos falou no congresso "The Future of Football", que decorre em Alvalade com o tema central da conquista do Campeonato da Europa de futebol. Mas Fernando Santos preferiu apontar também ao futuro. "Campeonato do Mundo? Vamos lá para procurar vencer, mas primeiro temos de conseguir lá estar. Quando disse que queria ganhar o Euro não era uma convicção alicerçada no ar, mas sim no futebol português. Sem uma base forte era a mesma coisa que pensar em fazer um prédio sem as fundações. Sabia que a Seleção tinha condições para vencer um grande título. Temos qualidade em jogadores e treinadores. Temos um futebol bem organizado. Não havia razão para não podermos competir de igual para igual. Tudo isto não foi fruto do acaso."

O selecionador nacional destacou a importância da formação que é dada nos clubes, mas ainda mais a evolução ao nível de condições. "Os clubes têm estado muito bem e a Federação tem realizado trabalho fantástico, mas também os clubes mais pequenos que muitas vezes fornecem os clubes maiores. Portugal sempre foi país com grandes jogadores. Sempre tivemos grandes talentos. Mas agora temos condições de trabalho melhores e podemos deixar de pensar só no talento. Podemos preparar o futuro."

Sobre a parte prática da conquista do Euro, nos jogos propriamente ditos, Fernando Santos admitiu que uma coisa impediu Portugal de conquistar um grande título antes. "Podíamos ter sido campeões em outras ocasiões. O pragmatismo permitiu-nos atingir, agora, o objetivo. Mas ganhar títulos é preciso ganhar jogos e para ganhar jogos é preciso marcar golos. Mas ter o pragmatismo para não sofrer golos. Quem não sofre não perde. Isso é uma verdade absoluta no futebol. Faltava incutir nos jogadores que era importante terem estes dois sentidos bem apurados."

Para o futuro, o treinador falou em vitórias e em ambição. "O ano que passou foi de ouro a nível das seleções. Mas temos obrigação de dar continuidade ao que foi feito. Os jogadores não podem sentir-se confortáveis. Se atingirmos um patamar e acharmos que é o limite... Temos de ir sempre à procura de desafios."

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon