Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

FIFA acusada de violar "padrões de boas práticas"

Logótipo de O Jogo O Jogo 15/09/2017 Alcides Freire

No centro da polémica estão alegadas interferências do presidente da FIFA, Gianni Infantino, para travar o veto à recandidatura do vice-primeiro-ministro russo, Vitali Mutko, ao conselho do organismo.

Gianni Infantino © Fornecido por O jogo Gianni Infantino

A juíza sul-africana Navanethem Pillay considera que alguns dirigentes da FIFA "violaram padrões de boas práticas", que levaram à sua demissão do comité de governação da FIFA, organismo que era presidido pelo português Miguel Poiares Maduro.

Poiares Maduro demitiu-se em maio e na sequência saíram também Joseph Weller, professor de Direito, Ron Popper e Pillay, ex-representante da ONU para os Direitos Humanos, que escreveu um email, hoje conhecido, muito crítico à secretária-geral da FIFA, a senegalesa Fatma Samoura.

No centro da polémica, que levou à demissão de Maduro e dos seus colegas de organismo, estão alegadas interferências, nomeadamente do presidente da FIFA, Gianni Infantino, para travar o veto à recandidatura do vice-primeiro-ministro russo, Vitali Mutko, ao conselho do organismo.

Nesse mail, tornado público por uma comissão parlamentar britânica - que já ouviu Maduro -, Pillay reforça que não foram respeitadas "as normas e padrões de boas práticas que eles próprios (FIFA) adotaram".

Para ignorar as posições do comité de governação da FIFA, Infantino e Samoura argumentaram que seria "um desastre" afastar Mutko a um ano do Mundial de 2018, que se vai disputar na Rússia. Mutko acabou mesmo por não ir para o Conselho da FIFA, mantendo porém a presidência do comité organizador do Mundial.

Entretanto, Weller confirmou que apresentou uma queixa contra Infantino, na comissão de ética da FIFA.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon