Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

FMI/Previsões: África subsaariana cresce 2,7% este ano e 3,5% em 2018

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/07/2017 Administrator

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou hoje que a África subsaariana vai crescer 2,7% este ano, ligeiramente mais que o previsto em janeiro, essencialmente devido à melhoria nas previsões de crescimento económico da África do Sul.

Na atualização das Perspetivas Económicas Globais (World Economic Outlok), hoje divulgada, o FMI diz que "o ambiente permanece desafiante", com a economia a crescer 2,7% este ano, mais 0,1 pontos percentuais do que o previsto em janeiro, e 3,5% em 2018, o que mantém a previsão anterior.

Para esta região do mundo, que inclui a maioria dos países lusófonos, mas para os quais não existem atualizações individuais, o crescimento previsto "mal vai voltar a território positivo em termos individuais [per capita] e mantém-se negativo para a economia de cerca de um terço dos países".

A ligeira revisão dos números para 2017 "reflete uma melhoria modesta das perspetivas de crescimento para a África do Sul", que beneficia de melhor produção agrícola e mineira, apesar de atravessar uma época de "elevada incerteza política".

A nível global, o FMI manteve as previsões do crescimento da economia mundial em 3,5% este ano e 3,6% no próximo, com uma redução da projeção de crescimento dos EUA a atenuar melhorias em outras economias, como a da zona euro.

Na atualização do relatório com as previsões económicas mundiais, o FMI afirma que "não há dúvidas" de que a economia mundial está a recuperar, continuando a prever que o conjunto das economias mundiais cresce 3,5% em 2017 e 3,6% em 2018.

Ainda assim, a instituição sediada em Washington sublinha que "as projeções inalteradas para o crescimento mundial mascaram diferentes contribuições dos países" para a previsão global, sobretudo em duas das maiores economias: Estados Unidos e China.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon