Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Franco Atiradores", de Jonuel Gonçalves, já nas livrarias com edição revista e aumentada

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/07/2017 Administrator

O livro "Franco Atiradores", do investigador, escritor e comentador angolano Jonuel Gonçalves, saído inicialmente em 2010 e sobre mais de meio século de clandestinidade e resistência em Angola, está desde hoje nas livrarias portuguesas numa edição revista e aumentada.

Editado pela Guerra e Paz, a obra, com o subtítulo "Clandestinidade e Informalidade nos Combates Democráticos em Angola (abril de 1958 - abril de 2017)", vem atualizar a lançada em 2010, quando o livro narrou vários episódios até ao mesmo mês de 2008.

Conhecido nos media ligados a África por José Gonçalves, sobretudo pelos comentários que faz há mais de duas décadas na RDPÁfrica, o autor disse à agência Lusa que se trata de um livro que "ajuda a compreender" a história política recente de Angola.

"A história oficial das lutas de libertação em Angola esconde e sufoca muitos episódios e muitas figuras essenciais. Houve muitos grupos espontâneos na clandestinidade e que não se conheciam uns aos outros. Daí o título do livro", explicou Jonuel Gonçalves ("Jonuel" é a contração dos dois nomes próprios do autor - José Manuel).

Segundo o atual professor na Universidade Federal Fluminense, no Rio de Janeiro (Brasil), o livro é também "um testemunho" das suas vivências desde que entrou na clandestinidade, em 1961, e que acompanhou de perto a luta pela independência (até 1975) e pela democracia no pós-independência (1991/92).

A partir da própria experiência e de testemunhos de outros resistentes empenhados nesses combates, "Franco Atiradores", assume o autor, revela formas de oposição e de militância, bem como o contributo que estas deram ao processo de abertura democrática em Angola.

A revisão de alguns capítulos - "o livro foi escrito apenas de memórias" -, bem como a inclusão de um novo, de forma a acrescentar uma visão sobre as eleições de 2012 e a evolução desde então em Angola, até abril deste ano, são a razão da republicação, revista e aumentada de "Franco Atiradores".

José Manuel Gonçalves, natural de Luanda, onde nasceu em 1943 (74 anos), passou por várias estruturas e formas de luta pela defesa da liberdade e democracia contra a tentação do Poder e das ditaduras: o movimento independentista, os bastidores da guerrilha, a assunção do poder pelo MPLA, as batalhas da guerra civil.

Além de "Franco Atiradores", publicado em 2010, Jonuel Gonçalves é autor de outras obras, como "Relato de Guerra Extrema" (também de 2010), "A Economia ao Longo da História de Angola" (2011), "A Economia de Angola nos Espaços Austrais" (2014) e "A Ilha de Martim Vaz" (2015), tendo colaborado ainda no livro de história intitulado "África no Mundo Contemporâneo" (2015).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon