Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Fundação Júlio Resende inaugura exposições evocativas do centenário do pintor

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/10/2017 Administrator

A Fundação Júlio Resende inaugura, na segunda-feira, dia em que o pintor completaria 100 anos, exposições evocativas do seu centenário (1917-2011), que estarão patentes em Gondomar e em Matosinhos, no distrito do Porto.

Sob o tema "Celebrar e repensar Júlio Resende (1917-2011) no centenário do seu nascimento", a mostra vai dividir-se entre uma exposição antológica, a linha do tempo e a obra pública do pintor natural do Porto, "autor de uma obra vastíssima, desenvolvida entre os anos 30 do século XX e a primeira década do século XXI", lê-se no comunicado enviado à Lusa.

Segundo a organização, na exposição antológica, na Sala de Exposições Temporárias da Fundação Júlio Resende, em Gondomar, "estarão trabalhos situados entre os anos 40, momento em que Júlio deixou a Escola de Belas Artes do Porto, e o início da década de 80", percorrendo um itinerário em que são "evidentes os diversos elementos plásticos, estéticos e culturais que definem uma produção diversa e coerente".

"As obras selecionadas para a exposição correspondem a trabalhos emblemáticos do percurso de Júlio Resende e, simultaneamente, peças maiores da arte portuguesa, cedidos por colecionadores particulares e instituições nacionais", acrescenta a nota.

No espaço reservado à Linha do Tempo, na Sala do Acervo da fundação, será revista a sua "longa obra, as grandes problemáticas da arte moderna e contemporânea - a autonomia da obra e a vocação social, o exercício académico e a expressão, a construção e a desconstrução do mundo, a densidade plástica e a fluidez da matéria".

"A exposição Linha do Tempo seleciona desenhos que caracterizam diferentes momentos do pensamento plástico de Júlio Resende, da coleção do Lugar do Desenho", refere ainda o documento.

De Júlio Resende conhecem-se "50 encomendas de arte pública, produzidas entre 1952 e 2004, distribuídas por 31 trabalhos em cerâmica, seis a fresco, seis em vitral e sete noutras técnicas", refere o comunicado do lançamento da exposição.

Esta "documenta um longo historial de colaboração com numerosos arquitetos da modernidade e da contemporaneidade em Portugal como foram os casos de João Andresen, Januário Godinho, Ricca Gonçalves, Alcino Soutinho, Manuel Salgado, Souto Moura, José Carlos Loureiro".

A sua obra pública é tratada neste centenário através de outra exposição patente na Galeria Municipal de Matosinhos até 27 de janeiro de 2018 e de uma outra, a inaugurar na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, sobre o projeto "Mar Novo", não concretizado, para Sagres.

Júlio Resende concluiu em 1945 a sua formação em pintura, na Escola de Belas Artes do Porto, onde seria docente entre 1958 e 1987, tendo realizado inúmeras exposições no país e no estrangeiro, iniciadas em 1934, com a participação em exposições coletivas, passando em 1943 a ter um trajeto individual.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon