Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Gabriel Barbosa não aceitou bem a alcunha de Gabigol

Logótipo de O Jogo O Jogo 02/09/2017 Rui Trombinhas
© SL Benfica

Comparado a Robinho e Neymar no começo da carreira, o internacional brasileiro tem como principal arma o poder de finalização. Nas camadas jovens do Santos marcou... 600 golos, conta a mãe

Autor de 600 golos nas camadas jovens do Santos, de acordo com as contas da mãe, Lindalva, e promovido à equipa principal com apenas 16 anos, o novo reforço do Benfica, Gabriel Barbosa, teve um início de carreira fulminante. Não tardou a ser comparado a nomes de peso revelados pelo Peixe, entre eles Robinho e Neymar, e a participar nas convocatórias das seleções inferiores.

Ganhou a alcunha de Gabigol antes mesmo de se estrear como profissional, em 2013, mas demorou a aceitá-la. Fazia questão de ser chamado pelo nome completo. O desejo foi em vão e desde então começou a conviver com cobranças mais fortes. "Ter subido cedo para jogar na equipa principal foi muito importante, ajudou no amadurecimento. E foi promovido porque era bom, não porque era giro ou bonito. Tem personalidade e conquistou tudo por merecer. Cheira a golo, é acima da média", destacou a O JOGO o antigo treinador Marcelo Fernandes, que esteve presente no período de transição para o profissional do novo camisola 11 das águias. "A alcunha Gabigol sempre deu margem para pressões exageradas. É normal para um avançado às vezes viver jejuns de golos. Felizmente, ele soube lidar com isso. Nunca atrapalhou", completou.

Assumir a "nova personagem" obrigou o internacional brasileiro a passar por uma transformação visual: roupas de luxo, cabelo estiloso, barba e tatuagens. Tem as costas todas desenhadas, com destaque para a palavra "hope" (esperança, em inglês). Recentemente marcou na pele o rosto da namorada, Rafaella Santos, a irmã do amigo Neymar.

No processo de mudanças (dentro e fora de campo), o jovem de 21 anos passou a dar mais valor ao espírito coletivo. Deixou o individualismo de lado, porém sem perder a principal característica: o poder de finalização. "Gabigol é sinónimo de golos. É dono de finalização forte, definição rápida. É veloz, mas dentro da área é ainda mais perigoso; tem a frieza de que todo o avançado precisa", elogiou o lateral e ex-companheiro Emerson, do Roma, também ao nosso jornal.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon