Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Gelson: dos putos que querem o mesmo penteado aos avisos de Jesus

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/02/2017 Ana Proença

Em entrevista ao "Jornal Sporting", Gelson Martins contou como o seu sonho era ser jogador de futsal antes de acreditar que podia vingar no desporto-rei. O extremo leonino já tem agora uma legião de fãs e relatou algumas histórias curiosas.

"O meu sonho de miúdo passou por ser jogador de futsal, mas depois abriram-me os olhos e disseram-me que o futebol era aquilo que tinha de seguir", afirmou o jogador formado na Academia de Alcochete, que na sua época de estreia, superou os números de Cristiano Ronaldo, com sete golos em 41 partidas, CR7 fizera cinco em 31 jogos.

"Ronaldo é Ronaldo. E é o melhor do mundo. Acho que para chegar lá ainda tenho de trabalhar muito. Mas, claro, é esse patamar que quero atingir apesar de ser elevado", afirmou Gelson Martins, que começou a dar os primeiros pontapés na bola com seis anos em Cabo Verde.

Apesar de ainda não ter chegado ao nível do craque do Real Madrid, Gelson Martins tem já, aos 21 anos, uma legião de fãs. E alguns fazem-lhe pedidos engraçados: "Conheci um miúdo que me pediu para ir com ele fazer o mesmo penteado. Alguns jogadores da formação falam-me também no Instagram a pedir conselhos", contou.

© Álvaro Isidoro / Global Imagens

Questionado sobre o impacto de Jorge Jesus na sua afirmação na equipa principal do Sporting, o jogador leonino assume que "a exigência é o que diferencia Jorge Jesus dos outros". "Está sempre em cima de nós. Os mais novos têm a tendência de se distrair com maior facilidade, mas ele não deixa que isso aconteça. 'Obriga-nos' a estar constantemente focados no nosso trabalho. Os avisos que nos dá durante o jogo, junto à linha, fazem parte do processo de crescimento de qualquer jogador", afirmou.

"Pontos a aperfeiçoar? Não só o último passe, como a capacidade de decisão no último terço. Por vezes, também tenho de ter mais calma, porque ando sempre a 100 à hora"', comentou ainda Gelson.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon