Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Gigi Buffon sorriu ao sonho de André Silva

Logótipo de O Jogo O Jogo 22/02/2017 Hugo Monteiro

Depois de marcar a Casillas, André Silva quer fazer o mesmo a outra lenda. Buffon nem se importa de o ver feliz, desde que passe a Juve.

© Estela Silva/EPA

Quando André Silva se sagrou campeão nacional de sub-17, em 2011/12, com a camisola do FC Porto, Gianluigi Buffon conquistava o terceiro "scudetto" com as cores da Juventus e o 11.º título do seu palmarés. São 18 anos que separam os dois jogadores que ontem tiveram quase um diálogo proporcionado pelas perguntas de O JOGO numa história entre uma lenda e um aspirante ao mesmo estatuto. André Silva era sub-13, em 2006, quando o guarda-redes conquistou o título de campeão do mundo pela Itália, entrando para uma galeria restrita de campeões. Mas nem o feito do italiano parece ter sido suficiente para alterar a maneira de ver de André Silva. "Quando era miúdo, nunca olhei muito para os guarda-redes. Os miúdos olham sempre para os avançados", reconheceu o avançado, confrontado com o duelo com Buffon.

O "diálogo" que promete manter com o italiano, e que ontem se iniciou, será mais uma prova de fogo para um avançado à procura de confirmar credenciais na Europa, mas sem intimidações aparentes, a julgar pela naturalidade com que encara a situação. "É verdade que amanhã [hoje] vai estar uma grande lenda, mas tenho a felicidade de trabalhar com outra. Já marquei ao Casillas no treino", avisou, como quem trata o espanhol como um mortal como outro qualquer e quer estender a mesma imagem ao jogo de hoje. "Mas sempre tive a noção de que Buffon é um grande guarda-redes e que é um sonho para mim marcar-lhe um golo", recuperou.

Buffon sorriu, na resposta a André Silva. "Quero fazer feliz o maior número de pessoas [risos], mas espero que, no fim, possa ultrapassar a eliminatória", atirou o italiano nada incomodado com o sonho do avançado. "O mais importante é vencermos e passarmos aos quartos de final", completou. Mais a sério e apesar dos 21 anos de André Silva, os golos do português já o apresentaram a Buffon, que não lhe foi indiferente. "É um grande perigo. Conheço-o muito bem e espero que possa atingir esse sonho [marcar um golo a Buffon]. Sinto-me em boa forma e tudo farei para não sofrer golos, mas, claro, tudo pode acontecer", reconheceu o guarda-redes, habituado a diálogos com goleadores.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon