Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo aceita decisões de Lisboa e Porto em abdicar do Euro2020

Logótipo de LusaLusa 23/04/2014 Lusa

Numa nota enviada à agência Lusa, a SEDJ recordou que “o Governo desde o início deste processo foi muito claro defendendo que a decisão de eventual participação caberia aos Municípios com condições para acolher o evento, no caso, Lisboa e Porto”.

“A decisão de não participação entretanto conhecida decorre por isso da avaliação que cada município entendeu fazer ao caderno de encargos da candidatura. O governo aceita por isso as decisões dos Municípios, não tecendo qualquer comentário sobre as razões das mesmas”, conclui a mesma nota.

Portugal ficou definitivamente fora da organização do Euro2020 de futebol depois da Câmara Municipal de Lisboa ter abdicado terça-feira de formalizar uma candidatura ao evento, que ficará distribuído por 13 países.

A 13 de abril, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, anunciou o desinteresse em acolher a competição por “não ver garantido retorno mínimo para a cidade”.

A fase final do Europeu de futebol de 2020 irá disputar-se de uma forma inédita, já que os jogos vão realizar-se em 13 países pela primeira vez na história do campeonato.

JOSÉ COELHO/LUSA © 2014 JOSÉ COELHO/LUSA

Só três estádios em Portugal tinham capacidade de integrar esta organização: Luz e Alvalade, em Lisboa, e o Dragão, no Porto, todos com capacidade superior a 50.000 lugares, o limite definido pela UEFA para jogos da fase de grupos, oitavos e quartos de final.

As regras exigem para as meias-finais e para a final estádios com lotação superior a 70.000 lugares, o que afastava desde logo Portugal dessas três partidas.

A data limite para entregar junto da UEFA as candidaturas está fixada para 25 de abril.

NF // PA

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon