Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo chinês assegura que livreiro Gui Minhai deixou o país após ser libertado

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/10/2017 Administrator

O Governo chinês assegurou hoje que o ativista e livreiro sueco de origem chinesa Gui Minhai deixou o país, após ter sido libertado na semana passada, enquanto a família diz desconhecer o seu paradeiro.

"Gui Minhai deixou o país após ter sido libertado, depois de dois anos preso por causar acidentes de trânsito", afirmou em conferência de imprensa um porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang.

Gui Minhai, de 53 anos, é um dos cinco livreiros da "Mighty Current" - editora de Hong Kong conhecida por publicar livros críticos dos líderes chineses -, que desapareceram no final de 2015.

Gui desapareceu quando passava férias na Tailândia, tendo aparecido mais tarde na televisão estatal chinesa CCTV a confessar que se entregou às autoridades pelo atropelamento e morte de uma jovem em 2004.

O Governo sueco anunciou na terça-feira que as autoridades chinesas confirmaram a libertação do ativista.

A sua filha, Angela Gui, não confirmou, no entanto, a libertação do pai, afirmando que não foi ainda contactada por ele.

"Nem eu, nem nenhum dos membros da minha família, ou algum dos seus amigos, fomos contactados" afirmou Angela Gui, em comunicado.

"Ainda não sabemos onde ele está. Estou profundamente preocupada com a sua saúde", disse.

O consulado da Suécia em Xangai informou esta segunda-feira ter recebido uma "chamada estranha" de alguém que dizia ser livreiro e afirmou que iria pedir um passaporte sueco dentro de um ou dois meses, mas que antes queria passar tempo com a sua mãe, que estava doente.

Angela desmentiu, entretanto, essa possibilidade.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon