Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo colombiano pede explicações à polícia por intimidar ONG e imprensa

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/10/2017 Administrator

O vice-presidente da Colômbia pediu explicações à polícia por intimidar uma missão humanitária e jornalistas que tentavam chegar à zona de Tumaco, no sudoeste do país, onde na semana passada foram assassinados seis camponeses.

"Os eventos irregulares ocorridos na aldeia de Tandil, em Tumaco, levaram o Governo a pedir à polícia nacional para prestar explicações", afirmou, no domingo, Óscar Naranjo aos jornalistas.

A missão humanitária, composta por representantes de várias organizações não-governamentais (ONG) e por jornalistas foi atacada com disparos para o ar e granadas, de acordo com a iniciativa Comunidades Construindo a Paz nos Territórios (Conpaz).

"A informação de que disponho é a de que a missão humanitária se encontra sã e salva em Llorente", disse o vice-presidente colombiano, indicando que a polícia vai emitir em breve um comunicado a esclarecer o sucedido e a pedir desculpa pelo comportamento dos agentes que atuaram, a seu ver, de forma irregular relativamente àquela missão humanitária.

A Conpaz denunciou, através da sua conta na rede de mensagens instantâneas Twitter, que a missão humanitária foi "atacada com tiros para o ar e granadas" e que "apesar de os seus membros terem gritado que eram civis, os polícias continuaram". A ONG detalhou que "o ataque ocorreu pelas 14:20 [20:20 em Lisboa] quando a missão se aproximava do local onde teve lugar o massacre cometido pela polícia na jurisdição de Tumaco".

Faziam parte da missão humanitária porta-vozes de uma série de organizações como a Justiça e Paz ou o Comité Permanente pela Defesa dos Direitos Humanos, estando também presentes representantes das Nações Unidas e jornalistas dos diários El Espectador e El Tiempo e da Revista Semana.

Segundo o vice-presidente colombiano, aparentemente "a missão humanitária encontrava-se no local para recuperar uma sétima vítima mortal" do ataque ocorrido na passada quinta-feira que fez ainda 20 feridos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon