Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo guineense confirma desacordo com União Europeia no domínio das pescas

Logótipo de O Jogo O Jogo 07/07/2017 Administrator

O ministro das Pescas da Guiné-Bissau, Orlando Viegas, confirmou hoje que o país e a União Europeia não chegaram a um acordo quanto aos valores que os europeus querem pagar para continuarem a pescar nas águas guineenses.

Em conferência de imprensa, Viegas, referiu que as divergências não foram ultrapassadas nas quatro rondas negociais realizadas em Bissau, Lisboa e Bruxelas, com o governo guineense a achar "pouco o que a União Europeia paga para ter acesso aos recursos", disse.

Cerca de 40 navios de Portugal, Espanha, Itália, Grécia e França pescam nas águas guineenses espécies como atum, cefalópodes (polvos, lulas, chocos), camarão e espécies demersais (linguados e garoupas).

Em contrapartida, a União Europeia paga a Guiné-Bissau uma compensação financeira de 9,5 milhões de euros, verba que o atual governo considera de pouco e que pretende aumentar.

"A Guiné-Bissau entende que a contrapartida do direito de acesso que a União Europeia paga atualmente está aquém daquilo que poderia ser considerada razoável, tendo em conta as possibilidades de pesca que a Guiné-Bissau concede", frisou o ministro guineense.

Orlando Viegas não adiantou qual seria o valor aceitável pela Guiné-Bissau, considerou que a União Europeia devia tratar o país como procede com a Mauritânia, com quem também tem um acordo de pesca.

"Estamos em crer que, a seu tempo, chegaremos ao acordo que satisfaça as partes, pois julgamos que esta cooperação no domínio das pescas tanto interessa à Guiné-Bissau como à União Europeia, desde que seja na base de vantagens recíprocas", sublinhou ainda o governante.

Caso não houver acordo com a UE, notou Orlando Viegas, o governo guineense encontrará novos parceiros. Mas lembrou que antes da existência dos acordos com os europeus, outros armadores já pescavam nas águas da Guiné-Bissau.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon