Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo guineense fixa preço máximo de saco de 50 quilogramas de arroz

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/08/2017 Administrator

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, anunciou hoje que o Governo fixou em 16.500 francos CFA (cerca de 25 euros) o preço máximo da venda do saco de 50 quilogramas de arroz na capital do país.

No interior do país, o saco de arroz, base alimentar dos guineenses, vai custar 17 mil francos cfa (cerca de 26 euros).

Segundo Sissoco Embaló, a decisão foi tomada pelo Conselho de Ministros e visa controlar a subida de preços do cereal que se registou nos últimos meses, levando a população a apelar a intervenção das autoridades.

Vários relatos de cidadãos aos órgãos de comunicação social indicam que o arroz chega a ser vendido a 25 mil francos CFA (cerca de 38 euros) no interior da Guiné-Bissau.

"O governo não pode permitir a anarquia ao nível de preços dos produtos", enfatizou Umaro Sissoco Embaló, explicando ainda que o Executivo teve de baixar algumas taxas para que o preço do arroz ao consumidor fosse mais baixo.

O ministro do Comércio, Victor Mandinga, precisou que as taxas cobradas pelo Governo na importação do arroz não sofreram nenhum aumento desde 2011 e que o atual Governo decidiu, mesmo assim, diminui-las para que os operadores do setor possam igualmente reduzir o preço ao consumidor.

Victor Mandinga esclareceu, contudo, que o preço máximo fixado pelo Governo diz respeito apenas a variedade "Nhelen" (trinca em 100 por cento) a mais consumida pela população guineense.

A partir de agora o governo irá controlar o preço dos produtos de primeira necessidade no mercado através de uma comissão que envolverá os operadores privados, indicou Mandinga, chamando a atenção aos comerciantes sobretudo os do setor do arroz.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon