Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo moçambicano aprova proposta de Orçamento de 5,1 mil ME para 2018

Logótipo de O Jogo O Jogo 21/09/2017 Administrator

O Governo moçambicano aprovou hoje a proposta do Orçamento do Estado (OE) de 2018, com despesas de 374,3 mil milhões de meticais (5,1 mil milhões de euros) contra receitas de 222.860 milhões de meticais (3,05 mil milhões de euros).

A proposta do OE de 2018, que será submetida no final deste mês à Assembleia da República, foi aprovada em sessão extraordinária do Conselho de Ministros, realizada hoje em Maputo.

O documento reflete um aumento da despesa em relação a 2017, que atingiu 272,3 mil milhões de meticais (3,1 mil milhões de euros).

"Haverá um défice de 77.009 mil milhões de meticais [1.056 milhões de euros], o correspondente a 9,7% do PIB, contra 10,7% do PIB de 2017", afirmou, em conferência de imprensa, a porta-voz do Conselho de Ministros.

Ana Comana adiantou que o défice orçamental será suprido através de crédito interno, correspondente a 2,3% do PIB, e crédito externo, que irá perfazer 5,4% do PIB, bem como donativos externos, equivalentes a 2,6% do PIB.

Questionada sobre se na rubrica donativos externos, o Governo moçambicano espera a retomada da ajuda dos parceiros internacionais que suspenderam o seu apoio na sequência do escândalo das chamadas dívidas ocultas, Ana Comoana admitiu essa possibilidade, assinalando que há esforços para a normalização da cooperação com os doadores.

"Os donativos podem vir de todos os lados, podem vir dos doadores tradicionais, podem vir de outros com quem Moçambique venha a concluir acordos", disse Ana Comoana.

A porta-voz do Conselho de Ministros de Moçambique assinalou que a proposta do OE de 2018 aposta na consolidação fiscal, nomeadamente através da melhoria da arrecadação de receitas para o Estado, contenção da despesa pública e reforma do setor empresarial.

"Como prioridades, são apontados todos os setores económicos principais e, além destes, os setores sociais, nomeadamente a educação e saúde", frisou Ana Comoana.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon