Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo são-tomense quer ampliar receitas da atividade pesqueira

Logótipo de O Jogo O Jogo 07/07/2017 Administrator

O ministro das Finanças, Comércio e Economia Azul são-tomense, Américo Ramos, defendeu hoje "uma adequada exploração dos recursos marinhos" do país como "oportunidade impar" para o desenvolvimento.

Américo Ramos, que falava no encerramento da Semana Nacional das Pescas, disse que o setor tem "potencialidades", mas apesar disso dá uma "contribuição mínima" de pouco mais de 7% para o Produto Interno Bruto (PIB).

"Ao observarmos a sua contribuição na riqueza nacional, PIB, notamos que em 2016 foi apenas de 7,2%", salientou o ministro, citando "dados atuais disponíveis" que indicam que o país tem uma capacidade anual de captura de pescado que ronda as 29 mil toneladas.

"Se fossemos capazes de explorar até 60% dessa capacidade, que é um nível sustentável, teríamos melhorado a contribuição desse setor na criação da riqueza nacional de forma exponencial", explicou o governante.

Américo Ramos colocou, no entanto, São Tomé e Príncipe no grupo dos pequenos estados insulares que "têm enormes constrangimentos ao seu desenvolvimento sustentável", designadamente no acesso a financiamento, "os elevados custos de transporte, de energia e de infraestruturação, as vulnerabilidades económicas, sociais e ambientais".

O ministro entende, por isso, que São Tomé e Príncipe, à semelhança desses estados insulares, "merece uma atenção especial da comunidade internacional para poder garantir esse desenvolvimento sustentável almejado e poder cumprir todos os compromissos no quadro da realização dos objetivos sustentável no horizonte 2030".

O diretor das Pescas, João Pessoa, que também interveio no evento, afirmou que o mar de são Tomé e Príncipe tem sido alvo de pesca ilegal mas não identificou as nacionalidades dos pesqueiros identificados nessa prática.

"Vamos atualizar a nossa lei, elaborar novos regulamentos que possam pôr cobro a esses problemas de pesca ilegal que temos assistido no nosso mar. Vamos trabalhar com a Guarda Costeira e a Capitania dos Portos, para ver se protegemos melhor os nossos recursos", garantiu.

O Governo são-tomense está a elaborar uma estratégia virada para a economia azul, que segundo João Pessoa passa por várias ações, de entre elas a elaboração de novos regulamentos que possam travar a pesca ilegal no arquipélago.

Esses documentos são financiados no âmbito de um projeto de cerca de 340 mil euros do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

"Nós temos uma lei das pescas, temos um regulamento que suporta essa lei mas já demos conta que precisamos de mais regulamentos de suporte a essa lei das pescas", acrescentou João Pessoa.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon