Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Greve dos estivadores para portos de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz - sindicato

Logótipo de O Jogo O Jogo 10/07/2017 Administrator

A greve dos estivadores nas horas ímpares, que implica uma paragem do trabalho de hora a hora, está hoje a paralisar os portos de Setúbal, Lisboa, Figueira da Foz, afetando também Leixões, segundo fonte sindical.

"Há portos onde representamos a totalidade dos trabalhadores, como o caso de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz, e estão completamente parados nessas horas, no caso de Leixões e Caniçal [na Madeira] estão praticamente parados", disse à agência Lusa o presidente do Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística.

António Mariano acrescentou que, mesmo nas estruturas em que o sindicato não abrange a totalidade dos profissionais, "o efeito sobre as operações é enorme".

A greve decorre desde as 08:00 de hoje até às 08:00 de terça-feira, durante as horas ímpares, ou seja, os estivadores trabalham uma hora, por exemplo das 09:00 às 09:59, e param na seguinte.

Os estivadores divulgaram um manifesto sobre as "situações gritantes que estão a viver-se em alguns portos, especialmente em Leixões e Caniçal", lembrou o presidente do sindicato.

"Desde que os trabalhadores desses portos começaram o processo de sindicalização no nosso sindicato, as perseguições têm sido inúmeras e de várias formas, desde ameaças a substituição desses [profissionais] por outros, prejuízos nos [seus] salários, ameaças de despedimento, impedimento de participação em plenários", relatou.

As operações nas horas ímpares "estão praticamente paradas na totalidade nos portos do continente, de Setúbal, Lisboa, Figueira da Foz, e Leixões e também no porto do Caniçal, na ilha da Madeira", relatou António Mariano.

Na ilha Terceira, nos Açores, não havia movimento de navios, pelo que o efeito da greve não se fazia sentir, explicou o sindicalista.

Realçou que, "nos restantes portos, estão a ser cumpridas integralmente as horas de paragem, a adesão dos nossos associados é de 100%".

O objetivo da "jornada de luta" é parar "de uma vez por todas" com as situações denunciadas e "a arma [utilizada] é a greve", disse ainda António Mariano.

"Se não houver entidades oficiais que ponham cobro a isto, vamos ter de continuar neste caminho, mas esperemos que seja possível que alguém com responsabilidades neste país, na área dos atropelos à vida laboral e sindical, possam ter alguma intervenção", salientou o presidente do sindicato nacional dos estivadores.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon