Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Greve dos médicos encerra maioria dos blocos operatórios - sindicatos

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/10/2017 Administrator

A greve dos médicos da região Sul e ilhas, que está a decorrer hoje, provocou o encerramento da maioria dos blocos operatórios enquanto os cuidados de saúde primários registam uma adesão de 75 a 80%, afirmaram os sindicalistas.

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos, Jorge Roque da Cunha, disse hoje aos jornalistas, cerca das 13:00, que no Hospital Santa Maria, em Lisboa, apenas 3 de 25 blocos operatórios estão a funcionar enquanto no São José só um dos seis blocos está ativo.

Nos hospitais do litoral alentejano, em Évora, Faro e Portalegre todos os blocos operatórios foram obrigados a fechar, referiu.

Nos cuidados de saúde primários, a adesão dos médicos no Alentejo está nos 85%, no Algarve está nos 80% e nos Açores e Madeira ronda os 78 a 85%.

O presidente da Federação Nacional dos Médicos, Mário Jorge, considerou que a adesão "mostra que a grande maioria dos médicos está descontente e apoia o sindicato nas suas reivindicações".

Segundo adiantou, os médicos pedem "bom senso" ao Governo e alertam que, sem essa condição, "um processo conflitual se vai arrastar".

Os médicos manifestam "disponibilidade toral" para um acordo mas que "esteja sistematizado e quantificado" para não andarem a participar em "mascaradas negociais".

Os médicos da região Sul e das Regiões Autónomas estão em greve desde as 00:00 de hoje, num dia de paralisação regional que já decorreu no Norte e que antecede um dia de greve nacional, prevista para 8 de novembro.

A greve de hoje foi convocada pelos dois sindicatos face à ausência de resposta do Governo às propostas, que se prendem com redução de horas extraordinárias anuais obrigatórias (matéria em que houve acordo), as chamadas horas de qualidade (durante a noite), redução do trabalho de urgência (de 18 para 12 horas semanais) e redução da lista de utentes por médico de família (dos atuais 1.900 para 1.500).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon