Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Greve: Frente Comum estima adesão média de mais de 80% em todo o país

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/10/2017 Administrator

A Frente Comum estimou hoje que, pelas 12:00, a adesão à greve geral da função pública era de "mais de 80% a nível global" em todo o país. "Em termos globais, podemos dizer que a greve atinge mais de 80%", declarou a coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila, que falava aos jornalistas na sede deste organismo, em Lisboa, e destacando os setores da saúde e da educação e os concelhos da capital, Porto e Coimbra. ...

A Frente Comum estimou hoje que, pelas 12:00, a adesão à greve geral da função pública era de "mais de 80% a nível global" em todo o país.

"Em termos globais, podemos dizer que a greve atinge mais de 80%", declarou a coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila, que falava aos jornalistas na sede deste organismo, em Lisboa, e destacando os setores da saúde e da educação e os concelhos da capital, Porto e Coimbra.

De acordo com a responsável, "isto confirma que a adesão à greve nos setores de atendimento ao público foi elevadíssima", nomeadamente na saúde e educação, onde a adesão ronda os 90%.

No que toca à saúde, Ana Avoila notou que as urgências estão a funcionar "só com [serviços] mínimos".

Contudo, relatou que, "nos hospitais, está a ser feita uma grande pressão sobre os médicos para fazerem consultas".

"É de lamentar que isso esteja a acontecer", disse a responsável, destacando que "isso não impediu os trabalhadores de fazerem greve".

Relativamente à educação, existem "centenas e centenas de escolas fechadas por esse país fora".

Segundo Ana Avoila, a greve deixou também os serviços de reinserção social apenas com os serviços mínimos assegurados, e, na área da Cultura, são vários os museus encerrados, como o dos Coches, em Lisboa.

Quanto à Justiça, a adesão varia entre os 75% e os 90%, com alguns tribunais e conservatórias fechadas.

Também na administração local, "a maioria das câmaras estão encerradas", não existindo serviços como o da recolha do lixo, adiantou.

Questionada pelos jornalistas sobre os concelhos com maior adesão, Ana Avoila elencou, então, Lisboa, Porto e Coimbra como os que têm "maior expressão porque também têm mais locais de trabalho".

Seguem-se os concelhos de Setúbal e de Santarém, bem como as regiões do Alentejo e Algarve, apontou.

"No fundo, não encontramos um desnível na adesão de sítio para sítio tendo em conta a volatilidade das coisas", referiu, aludindo a problemas como a precariedade, o congelamento de carreiras e de salários e a degradação dos serviços públicos.

De acordo com Ana Avoila, o objetivo desta ação é "dar um sinal muito forte do Governo".

"Há um grande descontentamento das coisas que se estão a fazer", notou, avisando que "o Governo deve receber este sinal com preocupação".

A seu ver, "o Governo ainda tem espaço" para alterar as coisas, nomeadamente através do Orçamento do Estado para 2018, que está a ser discutido em especialidade, em áreas como os salários, a contratação coletiva, a progressão na carreira e a reposição dos valores do subsídio de refeição e das horas extra.

Ana Avoila assinalou ainda que estes números podem sofrer alterações devido às mudanças de turno pelas 16:00, "mas nunca será muito diferente".

Esta é a terceira greve nacional dos trabalhadores da Administração Pública com o atual Governo e a primeira convocada pela Frente Comum de Sindicatos, segundo a listagem cedida pela estrutura sindical.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon