Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Greve: União de Sindicatos diz que se registou "forte adesão" em Setúbal

Logótipo de O Jogo O Jogo 27/10/2017 Administrator

A União de Sindicatos de Setúbal anunciou hoje que a greve na Administração Pública está a ter uma "forte adesão" no distrito, em especial em áreas como a Educação, Saúde ou Autarquias Locais.

Segundo a União de Sindicatos, em todo o distrito foram várias as escolas que estiveram encerradas nos diferentes concelhos, com a greve a afetar também os serviços das Autarquias Locais.

Ao nível da Saúde, centros de saúde em Almada, Barreiro e Setúbal também encerraram, com a paralisação a afetar os vários hospitais do distrito.

No hospital de Setúbal, a adesão no primeiro turno foi de 95%, enquanto no segundo foi de 100%, enquanto no hospital do Barreiro a greve foi de 85% e 80%, respetivamente.

Já no hospital Garcia de Orta, em Almada, a adesão foi de 70% no primeiro turno e 64% no segundo, e no hospital do Litoral Alentejano foi de 100% no primeiro turno e 68% no segundo.

"A União dos Sindicatos de Setúbal/CGTP-IN, saúda os trabalhadores da Administração Pública do distrito que hoje efetuaram uma grandiosa greve, lembrando que a luta irá continuar na Manifestação Nacional do próximo dia 18 de novembro", refere em comunicado.

Em causa, na greve nacional de hoje, está a falta de respostas às reivindicações da Frente Comum, como o aumento dos salários na função pública, o descongelamento imediato das progressões na carreira e as 35 horas semanais para todos os trabalhadores.

Esta é a terceira greve nacional dos trabalhadores da Administração Pública com o atual Governo (PS) e a primeira convocada pela Frente Comum.

A primeira greve com o executivo de António Costa ocorreu em 29 de janeiro de 2016 e foi convocada pela Federação Nacional dos Sindicatos da Administração Pública, assim como a de 26 de maio deste ano, que teve como objetivo reivindicar aumentos salariais, o descongelamento das carreiras, o pagamento de horas extraordinárias e a redução do horário de trabalho para 35 horas em todos os serviços do Estado.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon