Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Grupos de defesa dos direitos humanos processam embaixador do Sri Lanka no Brasil por crimes de guerra

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/08/2017 Administrator

Grupos de defesa dos direitos humanos intentaram ações judiciais, alegando crimes de guerra, contra um antigo general do Sri Lanka, agora embaixador do país asiático no Brasil e em outras cinco nações da América Latina.

Os processos têm por base o papel de comandante que detinha na fase final da guerra civil no Sri Lanka em 2009, com os grupos de defesa dos direitos humanos a alegarem que Jagath Jayasuriya supervisionou as unidades militares que atacaram hospitais e mataram, torturaram e fizeram desaparecer milhares de pessoas.

Jagath Jayasuriya goza de imunidade diplomática nos países onde é embaixador: Brasil, Colômbia, Peru, Chile, Argentina e Suriname. No entanto, os grupos de defesa de direitos humanos que intentaram ações judiciais esperam que tal leve os governos regionais a decidir expulsá-lo.

Carlos Castresana Fernandez, advogado que coordena o esforço conjunto de grupos de defesa dos direitos humanos, afirmou na noite de segunda-feira que as ações foram intentadas no Brasil e na Colômbia.

Em declarações à agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP), o advogado indicou, com efeito, que vão seguir-se outras na Argentina, Chile e Peru nos próximos dias. O Suriname rejeitou aceitar o processo, disse.

"Este é um genocídio que foi esquecido, mas vamos forçar os países democráticos a fazer algo", realçou Fernandez, salientando que "isto é apenas o começo da luta".

Desconhece-se de momento o paradeiro de Jagath Jayasuriya. Segundo o advogado das organizações de defesa de direitos humanos, fontes da justiça brasileira indicaram que o diplomata cingalês deixou o Brasil no domingo, algo que a AP não pôde confirmar de forma independente.

Os processos-crime, a que a AP teve acesso, são liderados pelo International Truth and Justice Project, organização não-governamental focada na recolha de provas, com sede na África do Sul.

Os processos têm três objetivos principais: pressionar as autoridades a abrir investigações, levantar a imunidade, e por fim, expulsar Jagath Jayasuriya.

Muitas das nações onde Jagath Jayasuriya desempenha o cargo de embaixador do Sri Lanka têm elas próprias um passado marcado por ditaduras militares e tortura.

Carlos Castresana Fernandez foi um dos advogados que trabalhou em casos internacionais contra o general argentino Jorge Rafael Videla e contra o general chileno Augusto Pinochet. Também ajudou a condenar muitos criminosos de guerra e membros do crime organizado da Guatemala, incluindo o antigo Presidente Alfonso Portillo.

A guerra civil no Sri Lanka terminou em 2009 quando os rebeldes do movimento de libertação dos Tigres Tamil foram forçados pelo exército a abandonar o norte e leste do Sri Lanka.

Os rebeldes tentavam desde 1983 conseguir a independência de uma parte do Sri Lanka, considerando que a minoria tamil sofre há décadas a discriminação dos sucessivos governos em Colombo.

Os processos intentados contra Jayasuriya dizem que o agora diplomata foi comandante da força de segurança de Vanni (nordeste) de 2007 a 2009, um dos períodos mais sangrentos da guerra civil que fez mais de 100 mil vítimas mortais.

Segundo as Nações Unidas, só na fase final do conflito armado morreram entre 40 mil e 70 mil pessoas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon