Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Guiné-Bissau pondera destino a dar a madeira cortada e espalhada nas florestas

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Administrator

O destino a dar a cerca de seis mil toros de madeira cortados e espalhados nas florestas da Guiné-Bissau está a preocupar o diretor-geral da Floresta e Fauna, que pediu ao Governo para vender o produto.

Mamadu Camara disse hoje à Lusa que, perante a moratória ao abate de árvores decretada pelo Governo em 2015, "muita madeira que estava para ser exportada" encontra-se espalhada "um pouco por todas as florestas" do país.

"Será o Governo a decidir, mas enquanto técnico, entendo que a madeira devia ser utilizada para o bem da população e outra parte deveria ser exportada, visto que é muita madeira para o mercado interno", declarou o diretor-geral da Floresta e Fauna.

Para estancar o abate de árvores, o Governo do então primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, decretou, em abril de 2015, uma moratória de cinco anos, como forma atenuar os riscos que pusessem em causa o equilíbrio ambiental na Guiné-Bissau.

A decisão surgiu numa altura em que centenas de madeireiros nacionais e estrangeiros tinham licenças de exploração emitidas pelas autoridades de transição que geriram a Guiné-Bissau durante dois anos na sequência do golpe militar de 2012.

Com a moratória ao abate de árvores, muita madeira que já tinha sido cortada não foi exportada. Em 2015, o executivo falava em cerca de 140 mil toros.

O diretor-geral da Floresta e Fauna afirmou hoje que, do levantamento feito, constatou-se que existem cerca de seis mil os toros espalhados pelas florestas, sobretudo na zona de Mansabá, no centro/norte do país.

Uma outra quantidade encontra-se, em contentores, nas instalações militares em Bissau e ainda na localidade de Safim, arredores da capital guineense, precisou Mamadu Camará.

O pterocarpus violaceus, conhecido na Guiné-Bissau como pau sangue, é a principal espécie cortada e espalhada nas florestas, disse Camará, que ainda não sabe qual a quantidade exata, em metros cúbicos, da madeira em questão.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon