Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Gulbenkian expõe a apropriação da escultura pela imagem em movimento

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/07/2017 Administrator

O "surpreendente fascínio" da arte contemporânea e, em particular do cinema, pela escultura antiga, é o motivo da exposição que a Fundação Calouste Gulbenkian vai inaugurar, no próximo dia 14, no edifício-sede, em Lisboa, anunciou hoje a instituição.

"Escultura em Filme - A própria impressão do objeto", exposição com curadoria da diretora do Museu Calouste Gulbenkian, Penelope Curtis, reúne obras de sete artistas, convidados a apresentar obras "que testemunham este interesse", da imagem em movimento pela escultura antiga, muitas delas filmadas em museus europeus ou nos seus espaços de reservas.

É o caso de Rosa Barba, que explorou as reservas dos Museus Capitolinos, em Roma, de Fiona Tan, sobre o acervo do museu Sir John Soane, em Londres, de Mark Lewis, que se centrou no Museu do Louvre, da dupla Lonnie van Brummelen e Siebren de Haan, que incidiu sobre o friso de Pérgamo do Pergamonmuseum, em Berlim, e de Anja Kirschner e David Panos, que refletem "sobre as origens dos artistas, alemã e grega, e sobre a relação entre os seus dois países durante a crise financeira de 2008".

De Rosa Barba, que trabalhou reservas do museu Reina Sofía, em Madrid, da Neue Nationalgalerie, em Berlim, e da Tate, em Londres, entre outras instituições, é privilegiada a incursão nos Museus Capitolinos, em Roma.

As reservas constituem uma zona sem visitantes nem qualquer informação relativa às peças. Barba usa "a luz como forma de ativar a escultura". "A sensação de imobilidade é um aspeto notável do seu filme, que parece permitir verdadeiramente que as esculturas recuperem a sua aura após um descanso prolongado", descreve a Gulbenkian, na apresentação da mostra.

Fiona Tan, por seu lado, "deteve-se num museu que se assemelha, ele próprio, a uma reserva: o Sir John Soane's Museum, em Londres", lê-se no programa.

"A singularidade deste filme reside no modo como a artista torna a escultura pictórica. O título, 'Inventory', remete não apenas para a variedade da coleção deste museu, como também para a própria multiplicidade de câmaras usadas por Tan (...), que dão origem a olhares distintos sobre as esculturas", acrescenta a Gulbenkian.

O filme de Mark Lewis, por seu lado, fixa-se apenas no "Hermafrodita Adormecido" do Museu do Louvre, "exigindo que o observador circule completamente à sua volta". "De todos os artistas aqui apresentados, o seu olhar é, talvez, o mais 'escultural' sobre a escultura", garante a Gulbenkian.

O projeto de Lonnie van Brummelen & Siebren de Haan, sobre o friso de Pérgamo do Pergamonmuseum, em Berlim, explora a representação de uma obra que não tiveram autorização de filmar. A procura de uma reprodução integral obrigou-os a combinar diferentes escalas, revelando várias formas como a peça foi documentada ao longo do tempo, com diferentes iluminações, câmaras e coloração.

Anja Kirschner & David Panos, em "Ultimate Substance", toma a crise financeira de 2008, entendem a Acrópole como um banco, e retomam Lavrio, a mina a 40 quilómetros de Atenas que fornecia o metal precioso para a cunhagem, e regressam à caverna descrita por Platão, em "A República", onde os prisioneiros tomam as sombras projetadas nas paredes pela realidade.

A reflexão imposta por "Escultura em Filme - A própria impressão do objeto" ganha com a compreensão da história inicial da fotografia, no século XIX, que encontrou na escultura um dos seus temas favoritos, tomando pequenas peças como seus primeiros modelos. Foi assim com Henry Fox Talbot, na Grã-Bretanha, com Daguerre, em França.

A Gulbenkian lembra aliás estes pioneiros, na apresentação da mostra, assim como a encomenda do British Museum, nos anos de 1850, do registo fotográfico das suas coleções clássicas, que acabou por ganhar lugar próprio na coleção.

E recorda uma pergunta de 1855, que lhe dá o título da mostra, feita perante uma fotografia da estátua do portal de Notre-Dame: "O que poderá ser mais verdadeiro do que isto, a própria impressão do objeto?".

"A Escultura em Filme - A própria impressão do objeto", patente até 02 de outubro, responde através da imagem em movimento.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon