Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

HRW apela à China para que não deporte grupo de desertores norte-coreanos

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/08/2017 Administrator

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) apelou hoje à China para que não deporte um grupo de 15 desertores norte-coreanos, entre os quais três crianças, face ao perigo de serem presos, torturados e até executados.

A organização de defesa dos Direitos Humanos, que soube da situação do grupo através do pai de um dos desertores, pede a Pequim que os acolha como refugiados.

O filho deste homem e outros quatro norte-coreanos foram detidos no início de julho, próximo da fronteira da China com o Laos.

Os cinco permaneceram detidos em Xishuangbanna, na província de Yunnan, extremo sudoeste da China, junto a outros dez norte-coreanos que já estavam detidos, entre os quais três crianças.

No início de agosto, o grupo foi transferido para o centro de detenção para imigrantes, em Tumen, próximo à fronteira com a Coreia do Norte, e considerada a última paragem antes da repatriação.

Em comunicado, a HRW refere que os "repatriados pela China enfrentam prisão em campos de trabalhos forçados (designados "kyohwaso"), campos de prisioneiros políticos ("kwanliso") ou até a execução.

A organização sublinha que nos "kwanliso" as condições de vida são sub-humanas, com "maltratos contínuos, inclusive abusos sexuais e torturas por guardas e execuções sumárias".

"A taxa de mortalidade nestes campos é extremamente alta, segundo relataram ex-prisioneiros e guardas", detalha.

A maioria dos desertores norte-coreanos atravessa os rios Amnok ou Tumen para chegar à China, de onde tentam chegar a um terceiro país, principalmente Tailândia e Mongólia, para pedir asilo através das embaixadas e consulados sul-coreanos.

A China, que quer evitar migrações em massa de norte-coreanos, não os considera refugiados, mas "migrantes económicos", forçando assim a sua repatriação se forem apanhados pelas autoridades.

Um relatório de 2014 da Comissão de Investigação da ONU sobre os Direitos Humanos na Coreia do Norte indicou que "quase todos os repatriados são objeto de atos inumanos", por serem considerados "uma ameaça para o sistema político e a cúpula" do regime, que quer evitar que o país "tenha contacto com o mundo exterior".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon