Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Hugo Miguel utilizou vídeo-árbitro na final da Taça de Portugal, mas sem alterar decisões

Logótipo de LusaLusa 28/05/2017 Tiago Miguel Mendes Dias
MIGUEL A. LOPES/LUSA © LUSA / MIGUEL A. LOPES MIGUEL A. LOPES/LUSA

Oeiras, Lisboa, 28 mai (Lusa) - O árbitro Hugo Miguel recorreu duas vezes ao vídeo-árbitro na final da Taça de Portugal de futebol, em que o Benfica venceu o Vitória de Guimarães por 2-1, mas manteve as decisões iniciais em situações de possível penálti.

O juiz da Associação de Futebol de Lisboa deparou-se com a primeira situação de consulta do vídeo-árbitro aos 12 minutos, quando o benfiquista Grimaldo cruzou da esquerda e a bola embateu no corpo e depois no braço de Josué no interior da área vitoriana, mas deixou o lance prosseguir tal como o fizera inicialmente.

O outro lance que mereceu recurso ao vídeo-árbitro ocorreu na segunda parte, aos 56 minutos, também na área vimaranense, com Josué envolvido: Cervi rematou contra o braço do defesa central, que não se mexeu, mas estava além da volumetria do corpo, e Hugo Miguel manteve, após consulta ao sistema, a decisão de deixar o jogo seguir.

A final da Taça de Portugal da época 2016/17 foi o primeiro jogo oficial em competições nacionais a contar com recurso ao vídeo-árbitro, no qual os ‘encarnados' arrecadaram a 26.ª Taça de Portugal do seu palmarés, após baterem os vitorianos por 2-1, com golos de Raúl Jiménez, aos 48 minutos, e Salvio, aos 53, antes de Zungu reduzir, aos 78.

TYME/CYP/MYO // PFO

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon