Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Inéditos em português de Bolaño e de escritores russos nas novidades de julho

Logótipo de O Jogo O Jogo 03/07/2017 Administrator

A primeira tradução direta dos mais antigos manuscritos árabes de "As Mil e Uma Noites", um conjunto de contos russos inéditos em português e uma nova tradução de Roberto Bolaño são as principais novidades literárias de julho.

Outra novidade que chega é a criação, pela editora 2020, de uma nova chancela infanto-juvenil, designada Fábula, que se lança com duas coleções, a "Pé de pato", que privilegia autores nacionais, escritores e ilustradores, e "Tesouros da Literatura", que publicará clássicos de autores nacionais e estrangeiros.

Os dois primeiros lançamentos da "Pé de pato" são "O Livro das Rimas Traquinas", de José Jorge Letria, e "Seis Histórias Tradicionais Portuguesas", de José Viale Moutinho, enquanto a "Tesouros da Literatura" se inaugura com "A volta ao mundo em 80 Dias", de Júlio Verne, "Os Maias", de Eça de Queirós, "Contos Maravilhosos", de Hans Christian Andersen, e "As Aventuras de Pinóquio", de Carlo Collodi.

A editora E-Primatur vai publicar o primeiro volume de "As Mil e Uma Noites", um dos textos que mais influenciou a literatura universal, sobretudo a partir da tradução adaptada, acrescentada e inventada de Antoine Galland, no século XVIII.

Os textos originais que agora se publicam são mais eróticos, mais violentos, mais coloquiais e fantásticos, descreve a editora.

Ainda pela E-Primatur sai este mês uma coletânea de contos inéditos em língua portuguesa que servem como montra da literatura russa da viragem do século XIX para o século XX, revelando correntes literárias e juntando autores de grande reconhecimento com outros menos conhecidos, como o prémio Nobel Ivan Bunin, Aleksandr Kuprin, ou Turgenev e Saltykov-Shchedrin, Nikolai Lesskov e Arkadii Averchenko.

Esta antologia, intitulada "O Fantasma no Palácio dos Engenheiros", resulta de uma colaboração com o Instituto de Línguas da Universidade Nova de Lisboa.

A Elsinore, outra chancela da 2020, publica o ensaio "Os Não-Europeus pensam?", de Hamid Dabashi, nascido no Irão e formado nos Estados Unidos, sobre os preconceitos dos europeus em relação ao resto do mundo.

Na Cavalo de Ferro será publicado um grande romance da literatura russa, "A História da Minha Mulher", de Milán Füst, inédito em Portugal.

O escritor latino-americano Roberto Bolaño regressa com "Putas assassinas", publicado pela Quetzal, um conjunto de histórias de 2001, publicado ainda em vida do autor chileno, mas que permaneceu inédito em Portugal até agora.

Ainda na Quetzal, será editado "Assassinos da Lua das Flores", de David Grann, baseado em factos reais, que descreve o assassínio dos índios osage, no Oklahoma, a população mais rica 'per capita' nos anos 1920, e o nascimento do FBI.

O Grupo Porto Editora destaca o lançamento do livro "Vozes dentro de mim", pela chancela Sextante, um livro de memórias e reflexões da atriz Carmen Dolores, atualmente com 93 anos.

A Livros do Brasil publica "Ratos e Homens", de John Steinbeck, uma história sobre amizade, dignidade e sacrifício, mas também uma parábola sobre o ruir do sonho americano.

As novidades da Relógio d'Água para este mês são "Retalhos do Tempo --- Um Memorial de Dublin", de John Banville, "Como Reconhecer o Fascismo" e "Da Diferença entre Migrações e Emigrações", de Umberto Eco, "Um Deus em Ruínas", de Kate Atkinson, e "Momentos Decisivos da Humanidade", de Stefan Zweig.

Ainda na mesma editora, são publicados durante este mês "Sobre a Tirania: Vinte Lições Retiradas do Século XX", de Timothy Snyder, "O Vale dos Assassinos e Outras Viagens pela Pérsia", de Freya Stark, "Preparação para a Noite", de Jaime Rocha, e "A Noite Inteira", de Frederico Pedreira.

A Alfaguara traz "Dinheiro Negro", de Ross Macdonald, um clássico da literatura policial, daquele que foi considerado, por muitos, melhor que Raymond Chandler.

Pela Companhia das Letras sai um novo romance de Chico Buarque, "Benjamim", uma narrativa de "suspense constante, com múltiplas perspetivas e camadas", refere a editora.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon