Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndio: Vento dificulta combate e obriga a reforçar meios no fogo da Sertã

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/07/2017 Administrator

O combate ao fogo da Sertã, distrito de Castelo Branco, que levou à retirada de pessoas das habitações, está a ser dificultado pelo vento e obrigou a reforçar meios, disse hoje fonte da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

"O incêndio está a arder com muita complexidade e muita violência e o combate não está a ser facilitado pelo vento, que está a gerar novos focos de incêndios", afirmou à agência Lusa Patrícia Gaspar, adjunta de operações da ANPC.

O fogo, que pelas 19:00 estava a ser combatido por 731 operacionais, 234 veículos e 12 meios aéreos, mobilizava 995 homens e 322 veículos às 22:47.

Patrícia Gaspar precisou que o fogo ameaçava localidades e obrigava à retirada de pessoas das suas habitações, sem precisar quais.

O incêndio, que mantém três frentes ativas, deflagrou no domingo na Sertã (distrito de Castelo Branco) e alastrou-se a Mação (Santarém) e Proença-a-Nova (Castelo Branco).

As chamas obrigaram ao corte do IC8, em Proença-a-Nova, à Estrada Nacional EN3 entre as localidades de Arnadas e Perdigão, em Vila Velha de Ródão, e às Estradas Municipais 536, em Cimadas Cimeiras, Proença-a-Nova, 545, entre Alvaiade e Bugios, Vila Velha de Ródão, e 546, em Bugios, Castelo Branco, de acordo com fonte oficial do comando-geral da GNR.

Também a autoestrada A23 se mantém cortada entre Perdigão e Vila Velha de Ródão, devido ao incêndio que consome desde as 17:55 povoamento florestal em Castelo Branco e que mobilizava 307 homens e 99 veículos, pelas 22:47.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon