Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: 16 pessoas retiradas de três povoações em Oleiros

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/08/2017 Administrator

Dezasseis pessoas foram retiradas das povoações de Vilarinho, Ademoço e Póvoa da Ribeira devido ao incêndio que lavra desde quarta-feira no concelho de Oleiros, Castelo Branco, de acordo com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Segundo a adjunta-nacional de operações da ANPC, Patrícia Gaspar, num 'briefing' na sede daquela entidade em Carnaxide, Oeiras, as 16 pessoas foram deslocadas para o Centro de Dia de Cambas, até estarem reunidas condições de segurança para poderem regressar às três povoações.

O fogo de Oleiros, que teve início às 13:18 de quarta-feira, era às 09:00 de hoje o que mobilizava mais operacionais e meios de combate. Por essa hora, o fogo com duas frentes ativas estava a ser combatido por 378 operacionais, apoiados por 113 veículos e cinco meios aéreos.

De acordo com Patrícia Gaspar, este fogo está a ser "combatido com dificuldades" devido ao vento, numa "zona com pequenas povoações onde estão identificados desde o início dois pontos críticos -- as povoações de Orvalho e Estreito".

A responsável da ANPC referiu que às 09:00 de hoje lavraram em Portugal Continental sete incêndios florestais, com seis destes a merecerem "preocupação" -- três no distrito de Castelo Branco (dois em Oleiros e um na Sertã), um no da Guarda (Guarda), outro no de Santarém (Santarém) e um outro no de Vila Real (Montalegre).

O novo fogo de Oleiros teve início antes das 01:00 de hoje e apresentava às 08:30 uma frente ativa, que estava a ser combatida por 58 operacionais com o apoio de 19 meios terrestres.

Desde as 00:00, a ANPC registou 30 ocorrências. Na quarta-feira, foram registadas 139 ocorrências. Os distritos do Porto, com 33, e o de Viana do Castelo, com 16, concentraram o maior número de incêndios.

Apesar de uma "melhoria aparente" das condições meteorológicas relativamente ao acendimento de incêndios e respetivo combate - prevê-se para os próximos dias descida da temperatura e o aumento da humidade relativa - "todo o cuidado continua a ser pouco".

"Não estão descartadas as possibilidades de continuarmos a ter incêndios com alguma velocidade de propagação", referiu.

Patrícia Gaspar recordou que o estado de alerta mantém-se até às 24:00 de hoje, com os distritos de Bragança, Beja, Castelo Branco, Faro, Santarém, Vila Real, Viseu, Portalegre e Guarda em alerta laranja e os restantes em alerta amarelo.

Vários concelhos nos distritos de Bragança, Guarda e Castelo Branco estão hoje em risco máximo de incêndio, de acordo informação disponibilizada no 'site' do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Com risco muito elevado de incêndio estão vários concelhos nos distritos de Viana do Castelo, Vila Real, Viseu e Faro. Já em concelhos dos distritos de Braga, Porto, Coimbra, Leiria, Santarém, Portalegre, Évora e Beja o risco é elevado.

Nos distritos de Aveiro, Lisboa e Setúbal o risco de incêndio é moderado.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o "reduzido" e o "máximo".

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon