Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Agricultores lamentam "ausência de capacidade do Estado em proteger os seus cidadãos"

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/10/2017 Administrator

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) lamenta a "inaceitável e incompreensível ausência de capacidade do Estado em proteger os seus cidadãos" e revela "profunda revolta e indignação pela forma como o Governo se demitiu das suas responsabilidades".

Em comunicado hoje divulgado a propósito dos incêndios que deflagraram no domingo, a CAP "associa-se ao luto nacional em que o país mergulhou, lamentando profundamente (...) a perda de vidas humanas".

Os incêndios tiveram "consequências dramáticas para um elevadíssimo número de agricultores e proprietários rurais, destruindo bens materiais, matando animais e aniquilando meios produtivos e de subsistência".

No comunicado, a confederação exige "publicamente o apuramento das responsabilidades do Estado e dos seus representantes, assim como a assunção de todas as medidas necessárias para que, em definitivo, uma situação como esta não volte a repetir-se".

Para a Confederação, o "Estado falhou gravemente nas suas obrigações quanto à proteção das pessoas, particularmente nas zonas rurais, e deverá assumir a responsabilidade pela perda de vidas humanas, mas também dos meios produtivos nas várias regiões do país, indemnizando de forma justa e coerente os agricultores e os cidadãos em geral afetados por esta situação", lê-se no comunicado.

A direção da CAP considera que se trata de uma questão de "segurança nacional" que compete ao Estado, que "não poderia de forma alguma ter deixado que estes acontecimentos se repetissem".

A CAP lamenta ainda que o "Orçamento do Estado recentemente apresentado não contenha medidas específicas que visem infraestruturar convenientemente o país de meios e tecnologia".

A direção da CAP alerta que é necessário que toda esta temática seja enfrentada de forma profissional, para que não se voltem a viver "tragédias semelhantes".

"Em ambiente de profunda consternação, a direção da CAP renova o seu voto de profundo pesar e solidariedade para com as famílias enlutadas, bem como com todo o conjunto de agricultores e demais cidadãos que viram as suas vidas e os seus bens atingidos por tamanha tragédia de nível nacional", referiu em comunicado.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 41 mortos e cerca de 70 feridos (mais de uma dezena dos quais graves), além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, entre terça-feira e quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon