Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Câmara de Oleiros considera "muito positivas" medidas do Governo

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/10/2017 Administrator

O presidente da Câmara de Oleiros disse hoje à agência Lusa que as medidas que saíram do Conselho de Ministros extraordinário são "muito positivas", mas adiantou que falta alargar o cadastro simplificado a alguns concelhos.

"Aquilo que acho é que são medidas muito positivas. Quero vê-las é na prática para todos os concelhos que sofreram com os incêndios", afirmou o presidente deste município do distrito de Castelo Branco.

Fernando Marques Jorge sublinhou ainda que apenas faltou alargar algumas circunstâncias, nomeadamente o cadastro simplificado.

"Faltou alargar o cadastro simplificado a alguns concelhos que já são poucos, porque isso é fundamental para o emparcelamento e ordenamento da floresta. Se isso não for feito, muito dificilmente vamos reabilitar a floresta", sustentou.

Questionado sobre uma eventual visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ao concelho de Oleiros, o autarca adiantou que o chefe de Estado privilegiou os concelhos onde morreram pessoas.

A reforma da Proteção Civil, que pretende aproximar a prevenção do combate aos incêndios e reforçar o profissionalismo, deverá passar pela entrada do Estado na rede SIRESP e por vários apoios dirigidos às populações e às zonas mais afetadas.

Estas medidas foram anunciadas no sábado pelo Governo, que se sentou à mesa para discutir, durante 11 horas, a reforma nos sistemas de prevenção e combate aos incêndios e adotar medidas de emergência de apoio às vítimas, depois dos incêndios de Pedrógão Grande (junho) e da zona Centro (15 e 16 de outubro).

A reunião extraordinária do Conselho de Ministros realizou-se no sábado na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, mas tinha sido anunciada por António Costa no dia 12, depois de a Comissão Técnica Independente nomeada pela Assembleia da República ter concluído o seu relatório sobre os incêndios de Pedrógão Grande (distrito de Leiria) e Góis (distrito de Coimbra).

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 44 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 vítimas mortais e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon