Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Cerca de um terço dos detidos deste ano ficaram em prisão preventiva

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/09/2017 Administrator

A Polícia Judiciária e a GNR detiveram este ano 140 pessoas pelo crime de incêndio florestal, tendo ficado em prisão preventiva cerca de um terço dos detidos, segundo dados divulgados à agência Lusa por aquelas duas polícias.

Os dados indicam também que este ano as detenções por incêndio florestal aumentaram 52% em relação a 2016.

A Polícia Judiciária deteve, até 25 de setembro, 95 pessoas pelo crime de incêndio florestal, 48 das quais ficaram com a medida de coação de prisão preventiva.

No mesmo período de 2016, a PJ deteve 77 pessoas (menos 18 do que este ano), tendo ficado em prisão preventiva 32 dos arguidos.

Segundo a PJ, as detenções tiveram maior incidência nas zonas Norte e Centro.

A Guarda Nacional Republicana deteve, até 25 de setembro, 45 pessoas, tendo ficado em prisão preventiva quatro, enquanto, no mesmo período de 2016, tinham sido detidas 15.

A GNR indica que Guarda, Leiria, Porto e Setúbal foram os distritos com maior número de detenções pelo crime de incêndio florestal.

Esta força de segurança levantou este ano 2.147 autos de contraordenação relacionados com a prevenção e proteção das florestas contra incêndios, significando um aumento de 45% em relação ao mesmo período de 2016, quando se registaram 1.477.

Guarda (465) e Viseu (283) lideram os distritos com mais autos levantados este ano pela GNR por incumprimento de regras impostas pela lei de defesa da floresta, indicam os dados da GNR enviados à Lusa.

Segundo a corporação, a maior parte das multas está relacionada com a falta de limpeza dos terrenos (1.392), queima de sobrantes (354) e queimadas (265), seguido da maquinaria e equipamentos (95).

Desde 2014 que a GNR é a entidade que fiscaliza a limpeza dos terrenos florestais.

A época mais crítica em incêndios florestais termina no sábado com um balanço de 64 pessoas mortas em Pedrógão Grande e mais de 230 mil hectares ardidos, a maior área da última década e a terceira desde que há registos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon