Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Comissão ténica sem bombeiros é caricato, dizem Associação e Sindicato Nacional Bombeiros

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/07/2017 Administrator

A Associação Nacional de Bombeiros Profissionais e o Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais lamentaram hoje que a comissão criada para analisar os incêndios de Pedrógão Grande não contemple a classe, uma situação que consideram "caricata".

Hoje reunidos em Conselho Geral, a Associação e o Sindicato divulgaram em comunicado uma posição na qual acusam o Governo de afinal não ter "a tal confiança nos operacionais no terreno" de que "tanto se falou no decorrer dos incêndios".

A comissão técnica independente que vai analisar os incêndios na região centro ocorridos em junho, e dos quais resultaram 64 mortos, foi apresentada na segunda-feira e é presidida por João Guerreiro, antigo reitor da Universidade do Algarve.

A comissão entra hoje em funções e tem dois meses para chegar a conclusões.

No comunicado a Associação e o Sindicato não questionam a idoneidade dos académicos escolhidos e lembra que a eles se juntam técnicos indicados pelos partidos, sem que nenhum deles represente os bombeiros.

"Ou seja, não foi dada voz aos que combatem os incêndios no terreno e assistem, na primeira pessoa, ao desenrolar dos acontecimentos no teatro das operações", sendo que o único representante dos bombeiros é um antigo comandante nacional, "que foi afastado do cargo pelo atual Governo".

E acrescentam as duas estruturas: "Além de caricata, esta opção denuncia que a Assembleia da República não reconhece legitimidade aos bombeiros para ajudarem a contribuir para a solução deste grave problema".

Ao deixar de fora os que efetivamente combatem os incêndios, o Governo "reduz os bombeiros aos homens e mulheres que se limitam a enfrentar as chamas, segundo as regras que os outros ditam, mas arriscando a sua vida".

É preciso mudar este paradigma -- diz-se no documento -- de criar comissões com técnicos que pouco ou nada conhecem de situações operacionais, porque assim se corre o risco de nenhuma das conclusões ser aplicável no terreno.

A Associação e o Sindicato recordam de resto um relatório aos incêndios de 2014, no qual se detalharam percursos para atingir metas e se aprovaram recomendações, por unanimidade, na Assembleia da República. "Nem o Governo nem a Assembleia da República conseguiram aplicar ou fazer cumprir qualquer uma das recomendações".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon