Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Liga lamenta exclusão dos bombeiros da comissão técnica

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/07/2017 Administrator

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) lamentou hoje que os bombeiros voluntários tenham sido excluídos da comissão técnica criada para analisar os incêndios de junho na região Centro, considerando que se trata de uma situação inconcebível.

Em comunicado, a LBP adianta que o presidente deste organismo que representa as associações e corpos de bombeiros voluntários, Jaime Marta Soares, enviou uma carta ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, para expressar a "profunda consternação e incompreensão" do setor.

Para a LBP, é "inconcebível que na comissão técnica independente, que vai analisar os incêndios ocorridos na região centro, não tenha assento qualquer elemento das associações ou corpos de bombeiros que tantos esforços envidaram para debelar esta verdadeira calamidade que recaiu sobre o país".

"Não poderia, em boa consciência, deixar de fazer chegar, em nome de todas as suas associadas, a sua profunda consternação e incompreensão", escreve Jaime Marte Soares, sublinhando que Portugal não percebe "tal indevido lapso".

Para a LBP, o contributo que os bombeiros, "dado o seu inquestionável conhecimento, poderiam prestar em matéria de futuras opções políticas de prevenção, relativamente ao território em causa, poder-se-ia revelar fundamental para acautelar a repetição de tais verdadeiros desastres humanitários".

A Liga dos Bombeiros adianta que "não põe em causa nenhum dos especialistas que integram a comissão", mas considera "manifestamente confrangedor a ausência de qualquer bombeiro português na referida comissão".

A comissão técnica independente que vai analisar os incêndios na região centro ocorridos em junho, e dos quais resultaram 64 mortos, é presidida por João Guerreiro, antigo reitor da Universidade do Algarve.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon