Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Município de Gavião contabiliza 80% de área florestal queimada em Belver

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/08/2017 Administrator

Os incêndios que atingiram no final de julho a freguesia de Belver, no concelho de Gavião, distrito de Portalegre, destruíram 80% da área florestal daquela freguesia, seis habitações e causaram muitos prejuízos materiais, anunciou hoje a autarquia.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Gavião, José Pio (PS) disse hoje que o relatório preliminar foi concluído e aponta para "cerca de 5.000 hectares ardidos, 75 a 80% do total da freguesia, seis casas de habitação destruídas, total ou parcialmente, uma delas de primeira habitação, 10 palheiros, barracões, alfaias agrícolas, dois tratores, pomares, eucaliptos, pinheiros, colmeias, três viaturas e muitos bens materiais, além do observatório de avifauna do Outeiro", ali instalado.

"Além dos traumas causados pelo incêndio, onde foi necessário evacuar nove aldeias num total de 136 pessoas, esta é uma situação dramática, uma verdadeira tragédia para esta população porque é na generalidade muito idosa, onde predomina uma agricultura de subsistência e onde investiram uma vida inteira nas hortas, nos quintais, no pinhal e nos eucaliptos e perderam tudo em poucos dias", relatou o autarca.

"Poucos têm força, capacidade e vontade em recomeçar tudo outra vez e precisamos de apoio do Governo para nos ajudar a recuperar desta machadada atroz que o concelho sofreu porque o município de Gavião, por si só, também não tem capacidade para pôr de pé tudo o que se perdeu naquela freguesia", alegou.

Em declarações à Lusa, a presidente da Junta de Freguesia de Belver, Martina de Jesus (PS), disse que "as pessoas estão desesperadas, revoltadas e a necessitar de uma ajuda extraordinária para poderem refazer as suas vidas", tendo lembrado que a população, de cerca de 680 habitantes (Censos 2011) espalhados por um território de 70 quilómetros quadrados e com grande mancha florestal, "é, na sua maioria, muito idosa, perdeu todo o trabalho de uma vida em poucas horas e sozinha não tem força para recomeçar".

Segundo a autarca, "urge renascer das cinzas dando sinais de investimento", tendo a Assembleia de Freguesia proposto várias medidas imediatas, tais como "apoiar os proprietários de gado caprino ou ovino com alimentação, inventariar os prejuízos na atividade dos apicultores informando dos apoios disponíveis" e "iniciar de imediato a melhoria da rede viária florestal nas zonas não ardidas e a criação de nova sinalética", entre outras.

Martina de Jesus defendeu ainda que seja agendada uma reunião entre as Câmaras de Gavião e de Mação e a Junta de Freguesia de Belver para reclamarem junto do Governo a declaração de calamidade pública para o território daquela freguesia.

Uma medida que o presidente da Câmara de Gavião disse à Lusa "não enjeitar", tendo referido que a autarquia está a ultimar um dossiê para "apresentar e sensibilizar o Governo" em termos de medidas de apoio para a freguesia de Belver.

"A declaração de calamidade pública não sei se poderá ajudar o município, mas tudo o que possa ser feito que possa servir para ajudar a população daquela freguesia está em cima da mesa para que possamos, o mais rapidamente possível, retomar dinâmicas e devolver a qualidade de vida às nossas gentes", frisou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon