Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: "Não será surpresa" PSD acompanhar moção de censura ao Governo do CDS-PP

Logótipo de O Jogo O Jogo 17/10/2017 Administrator

O deputado do PSD Matos Correia afirmou hoje que "não será surpresa" os sociais-democratas acompanharem a moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS-PP, remetendo uma decisão final para a reunião extraordinária da bancada, a realizar na quarta-feira.

A bancada do PSD vai ter na quarta-feira uma reunião extraordinária, marcada para as 11:00, antes do debate quinzenal com o primeiro-ministro, agendado para as 15:00.

"Não será surpresa para ninguém que o PSD não esteja disponível para dar qualquer tipo de apoio ou manifestar qualquer tipo de boa vontade relativamente à atuação de um Governo cuja atuação tem sido marcada pela violação básica das suas responsabilidades fundamentais", declarou o também vice-presidente da Assembleia da República, nos passos perdidos do parlamento.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, anunciara antes a apresentação de uma moção de censura ao Governo devido à falha em "cumprir a função mais básica do Estado: proteger as pessoas", adiantando que o texto será entregue na quarta-feira "ou depois".

Para Matos Correia, o executivo do PS tem tido um "comportamento" que "se tem traduzido no falhanço absoluto das suas funções", demonstrando "passividade e incompetência", as quais levaram "a estas tragédias ou ajudou a que ocorressem".

"Se é verdade que a decisão será tomada amanhã [quarta-feira], julgo que das palavras que acabei de proferir está de alguma forma antecipada a orientação que o grupo parlamentar irá adotar", continuou.

Questionado sobre uma eventual moção de censura autónoma por parte dos sociais-democratas, o deputado do PSD justificou a sua ausência porque, "em política, há várias formas de reagir a inações e incompetências do Governo", tendo o seu partido "diferentes meios" ao dispor para contrariar a ação política do executivo, através de outras iniciativas.

"Cada partido tem a sua maneira de agir e a sua história e tradição. Não é tradição do PSD apresentar moções de censura aos governos e continuamos a ser fiéis a essa tradição porque a consideramos a mais correta", acrescentou.

O regimento da Assembleia da República estipula que uma moção de censura ao executivo seja obrigatoriamente debatida no terceiro dia útil após a entrega formal no parlamento.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 41 mortos e 71 feridos, 55 dos quais ligeiros e 16 graves, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas. Uma pessoa está ainda desaparecida.

O Governo decretou três dias de luto nacional, entre hoje e quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon