Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Pena suspensa para homem que ateou nove fogos em Águeda

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/07/2017 Administrator

O Tribunal de Aveiro condenou hoje a quatro anos e nove meses de prisão, com pena suspensa, um homem de 39 anos que ateou nove incêndios florestais entre agosto e novembro de 2016, em Águeda.

O arguido, que estava em prisão domiciliária, com vigilância eletrónica, saiu em liberdade do tribunal, após a leitura do acórdão.

Antes, o juiz presidente explicou que o coletivo de juízes decidiu suspender a pena, apesar de as "elevadas" necessidades de prevenção de ordem geral, não o aconselharem.

"Estão ainda bem presentes os últimos incêndios e o pânico e os prejuízos que isso causa nas populações, mas decidimos dar-lhe um voto de confiança, porque o senhor confessou os factos e porque temos a expectativa e a confiança de que não volte a repetir nenhuma conduta desta natureza", referiu o magistrado.

O tribunal teve ainda em conta o facto de as áreas ardidas serem pequenas e não ter havido "prejuízos relevantes".

O homem foi condenado por sete crimes de incêndio florestal, dois dos quais na forma tentada, e dois crimes de incêndio.

Durante o julgamento, o arguido mostrou arrependimento e justificou o seu comportamento, alegando que "andava descontrolado", devido à separação da companheira.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), os incêndios ocorreram em diferentes locais da freguesia de Macinhata do Vouga, no concelho de Águeda, onde o arguido reside.

O MP refere que no início do mês de agosto, com o intuito de "causar comoção nos residentes naquela localidade e nas localidades próximas", o arguido decidiu passar a atear vários fogos em terrenos de vizinhos seus.

O arguido atuava durante a noite, ateando fogo com recurso a pinhas secas e um isqueiro e, em alguns casos, ficou a ver os populares a combater o incêndio, nada fazendo para apagar as chamas, indica o MP.

Na maioria dos casos, bastou a intervenção de populares para extinguir o fogo, mas em duas situações tiveram de ser chamados os bombeiros para travar a propagação das chamas para zonas florestais e habitações.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon