Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: Povoação de Cabanões é a situação mais complicada na Lousã

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/10/2017 Administrator

A povoação de Cabanões, no concelho de Lousã, no distrito de Coimbra, foi evacuada esta noite, localidade onde estão a ser concentrados os meios de combate ao fogo, disse à Lusa o presidente da Câmara.

"A situação mais preocupante é junto à povoação de Cabanões, onde existem duas situações mais complicadas. Estamos a concentrar todos os meios na encosta de Cabanões para evitar que as chamas atinjam a zona habitacional e tentar debelar a frente de fogo com a maior rapidez possível", disse à Lusa Luís Antunes, presidente da autarquia.

Segundo o autarca, a povoação foi evacuada devido à ameaça das chamas "e tem sido possível preservar as habitações, não se registando até agora quaisquer danos pessoais".

De acordo com Luís Antunes, o fogo que deflagrou no domingo naquele concelho do distrito de Coimbra destruiu seis habitações próprias e permanentes, um pavilhão industrial, um salão paroquial, uma capela do cemitério, explorações agrícolas e pecuárias e várias estruturas básicas.

O autarca perspetiva que durante a noite as condições meteorológicas "sejam colaborantes de forma a favorecer o combate ao fogo".

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 36 mortos, sete desaparecidos, 62 feridos, dos quais 15 graves, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal acionou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon