Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Incêndios: PSD pede debate para 6.ª feira sobre "responsabilidade política" a retirar do relatório

Logótipo de O Jogo O Jogo 12/10/2017 Administrator

A direção do grupo parlamentar do PSD pediu hoje ao presidente da Assembleia da República a marcação de um debate de atualidade para sexta-feira "sobre a responsabilidade política" decorrente do relatório da Comissão Técnica Independente sobre os incêndios.

Os debates de atualidade têm precedência sobre a ordem do dia, pelo que este deverá ser o primeiro tema em discussão pela Assembleia da República na sexta-feira.

A Comissão Técnica Independente sobre os incêndios de junho em Pedrógão Grande concluiu hoje terem existido falhas no comando do combate ao fogo e que faltaram medidas que "poderiam ter moderado" os seus efeitos.

Outra das conclusões do relatório da comissão foi a de que o alerta precoce poderia ter evitado a maioria das 64 mortes registadas no incêndio que começou em 17 de junho em Pedrógão Grande.

No item intitulado "O que poderia ter sido diferente", lê-se que "esta ausência de alerta precoce, por não ter sido feita a leitura do incêndio às 18:00 (e mesmo antes), não permitiu impedir a maioria das fatalidades".

Este trabalho de antecipação, acrescenta a comissão, "deveria ter sido feito no seio do comando e planeamento desta operação de socorro e deveria ter resultado na mobilização dos meios necessários, incluindo a GNR, para evitar que se tivesse verificado uma fuga para a morte, tal como veio a acontecer".

O presidente da comissão, João Guerreiro, afirmou, depois de ter entregado hoje o relatório de 296 páginas ao presidente do parlamento, Ferro Rodrigues, que "as medidas que deveriam ter sido tomadas, da responsabilidade do comando, e imediatamente a seguir ao início do incêndio, poderiam ter moderado os efeitos".

Especialmente entre as 15:00 e as 16:00 poderia ter havido uma "antecipação de medidas", designadamente "a retirada das pessoas das aldeias", disse o ex-reitor da Universidade do Algarve, sublinhando que existem "mais de 100 pequenos aglomerados" na zona.

O fogo que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho só foi extinto uma semana depois, tal como o incêndio que teve início em Góis. Os dois fogos, que consumiram perto de 50 mil hectares em conjunto, mobilizaram mais de mil operacionais no combate às chamas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon